Sérgio Petecão acusa governo e pede proteção ao Senado; Jorge defende Tião

O senador Petecão solicitou ao Senado  proteção à sua integridade física e de sua família. (Discursos de Petecão e Jorge Viana no final da matéria)

capapetecaSem_ttulo– O que acontecer comigo e com a minha família é de inteira responsabilidade das pessoas que hoje estão à frente do governo do Acre – afirmou o parlamentar nesta terça-feira (20) em Plenário.

Sérgio Petecão afirmou que o governador Tião Viana (PT) utiliza a mídia do estado, seus assessores e até sua página pessoal na internet “para tentar desmoralizar aqueles que ousam falar das mazelas que atingem a sofrida gente do Acre” e “para assacar inverdades e tentar macular a honra das pessoas”.

Em aparte, o senador Jorge Viana (PT-AC), irmão do governador, disse que “não há qualquer agressão do governador Tião Viana à democracia, quando ele estabelece o contraditório”. Ao pedir a palavra por ter sido citado por Sérgio Petecão em seu pronunciamento, Jorge Viana lamentou que o colega “tenha usado a tribuna e trazido para cá inverdades e agressões”.

Para Jorge Viana, o contraditório é parte da democracia, mas não “a mentira, a agressão, a invenção”. Disse ser “uma grande inverdade” dizer que há no Acre controle da imprensa. Admitiu que essa prática teria ocorrido no passado, quando eram com ela coniventes “os que hoje nos acusam”.

Em seu pronunciamento, Sérgio Petecão afirmou que foi seguido por carros não identificados em viagens pelo interior do estado, no último final de semana. Afirmou que pedia iniciativas para preservar sua integridade física, bem como a de seus familiares, para que não tenha o mesmo destino do ex-governador do Acre Edmundo Pinto, assassinado no exercício do mandato em um quarto de hotel em São Paulo, em 1992.

Sumiço

Sérgio Petecão disse que Tião Viana “não tem sabido aceitar qualquer crítica feita a seu governo” e afirmou que o líder do governo na Assembleia Legislativa “sugeriu a prisão de toda e qualquer pessoa que fosse pega lendo ou distribuindo reportagem publicada pela revista IstoÉ, na qual senador Jorge Viana foi destaque principal”. A reportagem, afirmou, “mostra a relação promíscua de alguns ex-governadores com empreiteiras trabalhando na rodovia BR 364, que consumiu R$ 2 bilhões nos últimos 12 anos e ainda não foi concluída”.

De acordo com Sérgio Petecão, “a edição inteira da revista desapareceu misteriosamente das bancas de revista”. Após o sumiço da revista, acrescentou, surgiram cópias da reportagem, que deixaram o governador “descontrolado e desesperado”.

– Tião Viana partiu para a baixaria e elegeu a mim como principal alvo de seu ódio – disse o representante do PMN, segundo o qual o governador do Acre o chamou de covarde e desonesto, além de insinuar que era o autor da matéria da IstoÉ.

Para Sérgio Petecão, “covarde é quem contrata analistas e blogueiros para espalhar inverdades sobre a vida das pessoas”. Sérgio Petecão disse ter concedido o aparte a Jorge Viana para que o colega “sentisse o gosto da democracia”, uma vez que não tem espaço na mídia do estado. De acordo com ele, Jorge Viana o acusa na imprensa e o impede de se defender.

Respeitabilidade

No aparte concedido por Sérgio Petecão, Jorge Viana afirmou que as acusações do colega não ecoavam entre os senadores porque Tião Viana construiu uma imagem de respeitabilidade na Casa. Ele completou que está se defendendo na Justiça das acusações feitas pela revista IstoÉ, mas que as cópias da reportagem que circularam pelo estado foram adulteradas e isso é crime.

Ao falar depois do colega, Jorge Viana disse que a administração do Acre é hoje “um exemplo para o Brasil” e que o estado vive hoje um clima de liberdade, já que o crime organizado foi derrotado. Ele lamentou que haja hoje “pessoas se fazendo de vítima, tentando chamar a atenção, para talvez esconder seus interesses, que não coadunam com os interesses do povo acreano e os interesses republicanos”.

Veja os discursos

1 – Veja parte do discurso do sen Petecão
2 – Veja discurso do sen Jorge Viana