Acre e o Brasil intensificam combate à Dengue para acabar com a doença

Brasília – Autoridades de saúde nos estados e municípios estão planejando como enfrentar a dengue e acabar com criadouros do mosquito transmissor no próximo verão, período em que o número de casos da doença aumenta. Algumas ações já têm início hoje (19), data que marca o Dia Nacional de Combate à Dengue.

dengue19112011FP_5609No Distrito Federal, a partir de hoje até o dia 26, a Secretaria de Saúde vai promover mutirões para retirada de lixo, entulho e limpeza de bueiros em regiões próximas à capital federal. Na Rodoviária do Plano Piloto, área central da capital, haverá distribuição de panfletos com orientações sobre a doença.

Em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul, 30 técnicos vão percorrer hoje diversas ruas da cidade para tirar dúvidas da população a respeito da dengue.

No Ceará, um dos estados que registram um grande número de casos da doença este ano, serão distribuídas 100 máquinas portáteis para aplicação de inseticida contra o Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença.

No Acre, já começou em 13 bairros da capital Rio Branco a coleta de garrafas, tampinhas, pneus e vasos, ambientes propícios para o acúmulo de água parada favorecendo a proliferação do mosquito.

O governo da Bahia prevê repasse de verba extra para os municípios aplicarem na melhoria da prevenção e no controle da dengue. Para conseguir os recursos, as prefeituras precisam apresentar termo de compromisso e plano de contingência.

A Secretaria de Saúde de Goiás criou um comitê, que vai se reunir semanalmente, para monitorar e controlar os casos da doença no estado. A decisão foi tomada depois do registro de um caso de dengue tipo 4 na cidade de Aparecida de Goiânia.

De janeiro a setembro de 2011, foram notificados 721.546 casos de dengue no Brasil, diminuição de 24% na comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados recentes do Ministério da Saúde, divulgados em outubro.

Também foi constatada queda de 39,3% nos casos graves, passando de 16.590 para 10.620, na comparação entre os períodos 2011 e 2010. O número de mortes também diminuiu: 468 mortos este ano, contra 629, em 2010.

Os estados do Rio de Janeiro, de São Paulo, do Amazonas e do Ceará responderam por mais de 54% das notificações.