Preso acusado de integrar quadrilha que sabotava torres do Linhão

Equipe com aproximadamente 20 profissionais de três delegacias prendeu José Ferreira de Freitas. Ele é acusado de integrar a quadrilha que derrubou as torres das linhas de transmissão de energia e deixou Sena Madureira às escuras na semana passada.

Homem-da-torreFreitas, que já foi preso por tráfico de drogas e estava em liberdade condicional,tentou extorquir R$ 50 mil da Eletrobras Distribuição Acre.Caso não fosse efetuado o pagamento, outras torres seriam derrubadas. A investigação integrada da Polícia Civil chegou ao criminoso por meio do trabalho de um negociador.

A prisão foi realizada na última sexta-feira quando Freitas buscava o dinheiro em uma área rural de Rio Branco, local combinado durante a negociação.

O policial, autorizado pela empresa concessionária de energia, se passou por um membro da diretoria. A ligação foi gravada do celular do investigador. Não houve interceptação telefônica (o que exigiria autorização judicial).

Pelo diálogo gravado e distribuído pela assessoria da Polícia Civil, fica evidente que o grupo estava disposto a derrubar mais torres em outras regiões se o pagamento não fosse realizado. “O grande problema é que quando eles começarem… aí… vai ser uma grande ‘inundação’ porque aí eles só vão parar depois de um grande acordo”.

No trecho gravado, fica sugerida uma situação para o negociador: José Freitas pode não ser o líder da quadrilha. A expressão “eles só vão parar depois de um grande acordo” (em resposta a uma possível negativa da empresa em realizar o pagamento) indica que José Freitas fala em nome de alguém.

O termo “inundação” sugere que o grupo estaria disposto a radicalizar nas ações criminosas. Mas, como alerta o delegado que coordenou toda investigação, Alcino Júnior, o trabalho da polícia continua. “As investigações não param agora”, afirmou. “Possivelmente, há mais quatro ou cinco pessoas envolvidas”.

Investigação evita derrubada de outras duas torres
A investigação evitou que outras duas torres fossem derrubadas. “Esse crime já foi praticado em quase todos os estados do país, mas somente aqui no Acre se chegou à prisão de um dos envolvidos”, destacou o secretário de Estado de Polícia Civil, Emylson Farias.

“Qualquer pessoa que venha a praticar qualquer tipo de crime dentro do Acre vai ter a mão do Estado-polícia muito forte como foi esse caso específico”, advertiu o secretário.

Não é o que parece – A forma de atuar de José Freitas não é comum na região. Os investigadores afirmam que “ele não é tão amador quanto parece”. As situações criadas, a tentativa de se passar por outra pessoa e os locais escolhidos para entrega do dinheiro são detalhes que sugerem um grupo com o mínimo de organização.

Medidas preventivas – Em nota distribuída à imprensa ontem à tarde, a Eletrobras Distribuidora Acre informa que o crime de vandalismo mobilizou equipe de 80 homens para reparar os danos e levou 63 horas para reer-guer a estrutura de sustentação dos cabos de energia.

A nota informa ainda que a empresa já vinha efetivando “medidas preventivas” de acidentes “desde o primeiro acidente em Sena Madureira” (ocorrido em 11 de novembro de 2011). A direção garante que essas medidas de prevenção “estão sendo intensificadas”.