Sem fogo: Engenheiros da Seap querem convencer agricultores a produzir com adubação verde

Engenheiros e técnicos da Seap (Diana Braga, Silveira Neto e Aurélio Parizi), por meio da Divisão de Recuperação de Áreas Alteradas, estão desde o ano passado trabalhando numa alternativa de adubação para ajudar a desenvolver o setor agrícola do Estado. Trata-se do Projeto Adubação Verde. Uma experiência de Unidade Demonstrativa está sendo conduzida numa área de dois hectares, no km 10 do Quixadá, de propriedade do produtor José Paulista, utilizando feijão-de-porco, mucuna-preta, crotalária-juncea e guandu-anão, leguminosas estas que favorecem a recuperação natural e eficiente do solo.

quixada_017O projeto é ousado e parte do pressuposto de que as áreas degradadas podem, sim, ser reaproveitadas para a agricultura no meio rural de Rio Branco. Uma das responsáveis pelo projeto, a engenheira agrônoma Diana Braga, afirma que o objetivo estratégico, além de fomentar um novo modo de exploração da terra, visa formar um banco de dados de sementes de espécie de leguminosas que resultará na multiplicação de sementes e assim criar condições para novas unidades de Adubação Verde, em cadeia.

Diana explica o que é Adubação Verde:

-Adubação verde é um processo natural, que visa à proteção superficial do solo e a melhoria das características químicas, físicas e biológicas do solo. A adubação verde traz muitos efeitos benéficos, como: aumentar o teor de matéria orgânica, desde que utilizada continuamente; diminuir índices de erosão, protegendo o solo de chuvas fortes; aumenta também a retenção de água no solo; recupera solos degradados e adensados; diminui a perda de nutrientes, como o nitrogênio; reduz a quantidade de plantas invasoras; favorece a proliferação de minhocas no solo e interrompe o ciclo e reduz o ataque de pragas e doenças.

quixada_003A engenheira afirma que a  proposta da Divisão da Seap visa consolidar a inclusão sócio-produtiva em áreas desmatadas através de práticas mais sustentáveis, a exemplo da adubação verde e conseqüente utilização da área com consórcios, sucessão e rotação de culturas.

-Dessa forma, propomos a implantação de um plano de ação com recuperação de áreas alteradas com uso de adubação verde, no sentido de garantir a segurança alimentar e fortalecimento do abastecimento do mercado – acrescenta a engenheira agrônoma.

Um dos maiores desafios da Seap, no entanto, no âmbito desse plano, é sensibilizar os produtores e proprietários de terra em relação aos benefícios e vantagens na prática do uso da adubação verde.

-É. Com certeza esse é o maior desafio do nosso projeto – admite Diana Braga.

———————

Projeto Adubação Verde

quixadaestaObjetivo específico:

-Conservação e uso sustentável da biodiversidade por meio da reincorporação ao processo produtivo de áreas alteradas/degradadas e subutilizadas;

-Promover a melhoria de características físicas, químicas e biológicas de áreas alteradas/degradadas com a introdução de adubação verde;

-Reduzir o número de capinas da supressão de plantas daninhas pelas leguminosas;

-Obter informações sobre o “Uso de adubação verde para recuperação de áreas degradadas para produção de grãos”

-Diagnosticar as potencialidades e eficiências das espécies de leguminosas de Rio Branco.