Ministério dos Transportes garante apoio para conclusão da BR-364

O governador Tião Viana conversou com o ministro dos Transportes, Paulo Passos, sobre o andamento das obras de conclusão do asfaltamento da rodovia federal BR-364, que o governador percorreu de Rio Branco a Cruzeiro do Sul, na terça e na quarta-feira desta semana.

governoeministroNa audiência com o ministro dos Transportes, da qual também participou o diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), general Jorge Fraxe, o governador falou sobre a liberação dos recursos programados para a conclusão da rodovia e de verba para a conservação das rodovias federais no Estado, particularmente nos trechos antigos das estradas.

Tião Viana pediu ao ministro e ao diretor-geral do Dnit mais celeridade na apreciação dos processos que envolvem o repasse dos recursos para a pavimentação da BR-364, para que os trabalhos sejam executados ainda durante o verão (período de estiagem), quando se pode trabalhar em estradas na Amazônia.

Tanto o ministro Paulo Passos quanto o diretor Jorge Fraxe ouviram atentamente os argumentos do governador e garantiram que vão continuar ajudando o Acre a conservar suas estradas e concluir a pavimentação da BR-364, que é o grande sonho dos acreanos.

Ainda em Brasília, Tião Viana manteve audiência com o secretário da Receita Federal, Carlos Alberto Barreto, a quem foram solicitados mais técnicos e auditores para trabalharem no alfandegamento de importação e exportação do posto de Assis Brasil, na fronteira com o Peru.

A presença desses funcionários se faz necessária para agilizar a liberação das mercadorias que passam de um país para o outro naquele posto alfandegário. O secretário da Receita Federal disse que vai estudar com carinho o pedido do governador para que seja agilizado o processo de importação e exportação naquela região de fronteira.

Nesta sexta-feira, 17, o governador teve audiência com a direção nacional da Infraero e tratou da construção da nova pista do aeroporto de Rio Branco, pois a antiga não atende mais plenamente às necessidades de pouso e decolagem das aeronaves, particularmente as de maior porte. Há muito tempo o aeroporto de Rio Branco necessita de uma segunda pista auxiliar para atender melhor o seu tráfego aéreo.