Cooperacre vai continuar exportando mesmo com isolamento terrestre

A deputada federal Perpétua Almeida (PC do B), afirmou na manhã desta segunda-feira, 24, durante visita às indústrias de beneficiamento da castanha de Brasiléia e Xapuri, que a cadeia produtiva da castanha não será prejudicada com a cheia do rio Madeira.  

Mensalmente, só a Cooperativa Central de Comercialização Extrativista do Acre (Cooperacre), que agrega mais de 2,5 mil famílias, de 30 associações e cooperativas, comercializa com cerca de 100 grandes indústrias brasileiras, entre elas a Nestlé, aproximadamente 150 toneladas de castanha beneficiada.  

Garantindo que todos os esforços estão sendo feitos para evitar prejuízos para produtores e trabalhadores, Perpétua Almeida disse que governador Tião Viana tem se esforçado para garantir que a Cooperacre continue comercializando sua produção, evitando assim, prejuízos para as mais de 2,5 mil famílias beneficiadas e para os seus quase 300 funcionários.  

“Diferente daquilo que poucas pessoas sem informação insistem em afirmar, o Acre tem produzido muito. Prova disso é a nossa castanha que está sendo comercializada por grandes indústrias brasileiras. Sabemos do esforço e da dedicação de cada família e de cada trabalhador que, sobrevivem desse trabalho. Por isso, viemos aqui para tranquilizá-las e reafirmar nosso compromisso com o desenvolvimento do nosso Estado”, afirmou. 

Ela tranquilizou as pessoas que trabalham diretamente nas duas indústrias e as famílias das cooperativas e associações, ligadas à Cooperacre, afirmando que toda produção será enviada para as indústrias. Perpétua informou que aviões da Força Aérea Brasileira continuarão à disposição para fazer o transporte da castanha até que as águas do rio Madeira baixem e a BR 364 seja liberada para o tráfego de caminhões.  

Acompanhada do superintendente da Cooperacre, Manoel Monteiro, a parlamentar conheceu todo processo de produção, desde o armazenamento até a embalagem da castanha para comercialização.