Padre Paolino está bem, mas reclama do seu ‘principado’

 

J R Braña B. – 

 
Como não poderia deixar de ser fui visitar meu amigo padre Paolino Baldassari.

Foi no começo da noite de segunda.

E fui com minha mulher Deyse Maria.

Queríamos apenas saber se ele estava bem.

Pelo interfone disse ao responsável pela casa de sossego dos padres que não precisava entrar, mas apenas saber como estava a saúde de Paolino e me identifiquei.

-Pode entrar. Paolino pediu para entrar. Ele tá aqui. Entre.

E destravou o portão.

Entramos eu e Deyse.

Paolino estava como sempre: com uma Bíblia na mão.

Sentado, lendo e ao mesmo tempo fazendo nebulização.

-Boa noite, padre.

-Boa noite, cadê o jornal?

-Com dificuldades estamos fazendo…mas o senhor tá na internet, em oestadoacre.com (mostrei a notícia dele no celular)

Paolino tem 89 anos e sempre que me encontra pede o jornal SENA XXI, que ele lê sempre que deixam na Difusora ou o entregador leva na igreja para ele.

Lembrei dos seus 89 anos e disse que os bons nascem sempre em abril.

-Eu sou de abril.

-Eu sei e eu também, padre.

-Ah, isso não está certo…Você também é de abril?

-Isso… O senhor, eu…só os bons.

Risos de Paolino e de todos que estavam na sala.

Mas Paolino não anda muito bem.

Embora esteja bem melhor nesta segunda.

-O que aconteceu com o senhor?

-Foi ontem (domingo), pela manha me senti fraco, fiquei com um lado (esquerdo) dormente e caí. Não aguentei.

-E agora, como está?

-Bem…fiz uns exames e amanhã (terça) vou fazer outro antes de voltar para Sena (Paolino retorna nesta terça).

Paolino não se contém e fala de Sena Madureira.

-Como é que você chama? Principado, né? Pois é, o Principado está mal (e vira o dedo polegar para baixo).

-O que houve?

-Nem as aulas de reforço da igreja tem mais. Acabou!. A Itália enviava cerca de 100 mil por ano e agora não tem mais. E ninguém ajuda.

Explico ao leitor: Paolino mantinha alguns escolas de reforço escolar (Matemática e Português para alunos de famílias pobres, muito pobres, de Sena….Fez isso a vida toda praticamente).

Paolino falou também das demissões na prefeitura e disse ser contra as demissões.

-Jorge Viana quando assumiu tinha que demitir milhares e nunca demitiu (o Tião também). Não pode demitir.

Puseram o jantar na mesa.

-Bom, padre, vamos deixar o senhor jantar com os futuros padres (vários seminaristas se perfilaram à mesa e Paolino na cabeceira).

Antes de deixar a casa católica disse aos meninos:

-Aproveitem esse Padre, vocês são uns privilegiados. Vocês vão jantar com o padre e religioso mais importante do Acre.

Padre Paolino ficou com os meninos na mesa grande e de comida simples, como ele.

Quem sabe um dos meninos não segue os passos de Paolino.

Eu e Deyse Maria, então, fomos embora felizes da vida.

Paolino estava bem e em boas companhias.

paolinoIMG_20150914_185012876IMG_20150914_185030896

 

J R Braña B. –