A Presidenta vai vir novamente ao Acre (ela tratou do assunto com o governador)

dilma e tiao e marlucia
Foto: do twitter do governador Tião Viana

Quem deu a informação foi o governador Tião Viana.

Na sua pagina do FB e Twitter.

Dilma gostou tanto do Acre que pediu para voltar.

Foi quando visitou o alojamento dos desabrigados da enchente do começo do ano.

-Quero voltar para inaugurar a Cidade do Povo e o negócio do peixe (foi como se referiu ao Complexo de Piscicultura)

Ela vai voltar.

É só aguardar.

Assista aqui trechos de Lula e Dilma na Convenção Nacional do PT que oficializou candidatura à reeleição:



Hoje é segunda-feira…! a mais esperada de 2014

Só o futebol e uma Copa do Mundo no Brasil tem esse poder de transformar uma segunda-feira num dia tão esperado como um sábado, um domingo ou mesmo uma sexta.

Então…

Todo mundo junto às 15h (17 em Brasília)



Saneamento em Marechal e Poro Walter
Marechal-Balsa-Insumos-580x435

Da Ag Of Gov AC

(…)

Conhecidos pelo baixo IDH, Porto Walter e Marechal são dois dos municípios mais pobres do Acre. Agora, em cada um deles começam as obras de construção de redes coletora de esgoto, as Estações de Tratamento de Esgoto (ETE). O intuito é investir na infraestrutura e ter como consequência melhorias na saúde dessas populações.

A Secretaria de Estado de Planejamento (Seplan), em parceria com o Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa), assinou um acordo de cooperação técnica para acompanhamento dessas obras. São R$ 21 milhões aplicados em Porto Walter e R$ 24 milhões em Marechal Thaumaturgo. A maior preocupação do governo era enviar os materiais ainda durante o período de cheia dos rios.

(…)

saneamento marechal e porto w

Em tempo: Juruá recebendo benefícios importantes.



Aplicativo para celular amplia canais para denúncia de violência contra mulher
aplicativo

Com o objetivo de ampliar as plataformas de denúncias de violência contra a mulher, a Secretaria de Políticas para as Mulheres (SPM) lançou um aplicativo para celulare tabet, o Clique 180. A solução, assim como o Ligue 180, permite às mulheres vítimas de violência e às pessoas que testemunharem essas situações, fazer denúncias à Central de Atendimento à Mulher.

Desenvolvido pela ONU Mulheres, entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Gênero e o Empoderamento das Mulheres, em parceria com a SPM e apoio da Embaixada Britânica, o Clique 180 atende tanto mulheres em situação de violência, quanto pessoas que não compactuem e queiram ajudar denunciando as agressões.

Além do acesso à central da SPM, que recebe denúncias e fornece orientações, o Clique 180 contêm informações sobre os tipos de violência contra as mulheres, dados de localização dos serviços da Rede de Atendimento e sugestões de rota física para chegar até eles. Integram ainda o aplicativo conteúdos como a Lei Maria da Penha e uma ferramenta colaborativa para mapear os locais das cidades que oferecem risco às mulheres.

O aplicativo será permanente e está disponível para os sistemas iOS do iPhone e Android dos demais smartphones. Pode ser baixado na Apple Store ou na Google Play. Para tanto, basta digitar Clique 180 e seguir os passos de instalação.

Fonte: governo federal


 

Dilma e o Horário Eleitoral

Autor – Alexandre Tambelli
Publicado no ggn luis Nassif

 

Qual será a maneira de abordagem ao eleitor utilizada pelo PT em 2014?

Esta uma pergunta que creio pertinente.

O PT e seu tripé Capitalista: pleno emprego, aumento real do salário mínimo e consumo de massas não pode mais ser colocado como modelo de Partido da esquerda tradicional.

Tenho observado que o PT criou um modelo de desenvolvimento social de coalisão de forças: Capital e trabalho – ricos e pobres – de preferência; sendo que a classe média, apesar de ter ganhos significativos nos 12 anos de PT no poder, é quem menos aumentou sua renda: pouco mais de 1/3 em relação ao povão.

O grande empresariado esperto enriqueceu por demais com o PT no poder e seu tripé Capitalista, pois, nunca se consumiu tanto neste país, chega a ser redundante reprisar este fato. E se a gente observar bem, eles quase não dão entrevistas para a mídia hegemônica, porque não vão desancar o Governo do PT. Quando deram, vide a Luiza do Magazine Luiza na Globonews a situação foi complicada para o Jornalismo de torcida da Imprensa tradicional.

Há um modelo de sociedade em gestação onde se observa a lenta, mas contínua inserção e ascensão social de toda a população, via programas de transferência de renda, crédito na praça, programas de qualificação profissional e Educacional, além do pleno emprego (que é a cereja do bolo de todo este processo de incorporação de quase 100 milhões de brasileiros no mercado consumidor Via Bolsa Família e as novas classes consumidoras C e D).

A realidade do Brasil não é mais aquela de 10 anos atrás. Hoje, não se fala de pessoas que morrem de fome por desnutrição, pela seca; nem se abrem discussões sobre desemprego; nem é expressivo o número de pessoas em idade educacional que não está na Escola, é quase residual este número, etc.

Este novo quadro econômico-social não será possível modificar seja quem for o Presidente eleito, ajustá-lo, sim! A população aprendeu a conviver com um novo que não quer mais que lhe seja retirado. Um País de classe média surgirá em ano futuro, não muito distante estamos desse ano, penso eu.

A Política não pode ser mais a de antes do PT no poder. Antes, a promessa era a tábua de salvação do eleitor, que embarcava numa candidatura, crente que ela lhe faria o bem-desejado e prometido (claro que os meios de comunicação interferiam sobremaneira no pleito, mais que hoje, com o advento da Internet e maior escolarização dos brasileiros).

A grande massa da população já experimenta o novo e já possui parâmetros para comparar administrações: decididamente PT e PSDB no poder não fizeram governos iguais: o povão está mais do lado do PT, e menos do PSDB.

Então, o que pode mudar o quadro eleitoral é o denuncismo radicalizado da mídia hegemônica e da oposição sem propostas claras, mas com seus tentáculos por todos os meios de comunicação possíveis, além do inconteste fato de que parcelas da sociedade possuem memória fraca para a Política, ou sejamos mais diretos, não se interessam pela Política partidária. E, coloquemos que a despolitização é real no Brasil em todas as classes sociais, lembrando que o novo partícipe significativo da sociedade de consumo: a classe C pode muito bem se colocar numa postura de que agora é diferenciada, e votar diferente do PT, com o olhar de não aceitação de ser vista sua ascensão social como resultado das políticas sociais de inclusão do partido.

Juntamos a este quadro, traçado no parágrafo anterior, a lembrança, muito bem sacada por LULA sobre os jovens e parcela dos adultos de menos de 30 anos: eles não sabem como era o Brasil do início do Século XXI, eram crianças nesse tempo. Não há, portanto, parâmetro de comparação de governos nesta faixa do eleitorado. Para os jovens de menos de 30 anos é o aqui agora, não os tempos de FHC para trás que interferirá no voto, um cálculo não muito exato, são mais de 50 milhões de eleitores.

Trabalharemos uma Campanha eleitoral entre dois grupos distintos: eleitores que vivenciaram com força o passado do Governo FHC e os eleitores da Era LULA em diante. E misturam-se a estes dois grupos as classes médias tradicionais e seu voto corporativo (de classe), aqui se detém a força maior de qualquer candidato oposicionista, mesmo que este não lhe seja o ideal para votar, ganha o voto por ser anti-PT.

Se o PT souber trabalhar bem no horário eleitoral mostrando as diferenças e resultados de uma Política de inclusão social e ascensão social com suporte do Estado, e a ideia de uma Economia de livre iniciativa com a menor ingerência possível do Estado, abre-se caminho para a vitória tranquila da Presidenta DILMA em 2014, mesmo com todo o barulho da mídia hegemônica e das candidaturas de oposição.

Será preciso comparar modelos econômicos: Capitalismo desenvolvimentista com Estado atuante X Capitalismo Neoliberal, e sem tergiversar. E, cuidado para não embarcar na ideia de um marketing exagerado do Partido, ao dizer que precisamos de: Mais Mudanças, Mais Futuro. Esta pode ser uma armadilha, porque se eu digo que depois de 12 anos vou fazer diversas reformas, o eleitor vai dizer: – Por que não fez antes? Certo? E, isto retira votos, não o contrário, penso eu. Equilíbrio nesta hora, para não passar a impressão de que o Partido no poder não fez o que era para ser feito antes.

A realidade é que terá o PT um tempo significativo no horário eleitoral para contrapor o discurso de caos da velha mídia e das oposições. Se souber equilibrar o tempo de TV e rádio entre feitos, continuidades e mudanças futuras, não terá candidatura de oposição que vencerá a Presidenta DILMA.

AÉCIO + EDUARDO e MARINA não representam novidade, não representam o modelo de sociedade que o Brasil necessita e está buscando com todos os percalços da sua realidade histórica de mídia concentrada, elite conservadora e classes médias tradicionais buscando exclusividade.

A Presidenta DILMA tem tudo para se reeleger. Buscando manter o debate no campo da Economia e seu tripé capitalista: pleno emprego, aumento real do salário mínimo e consumo de massas; do desenvolvimento com soberania e do Social vencerá.



A revolta do leitor com a revista Veja (assista vídeo)


Não deixe de ver.


Por hoje, FIM