Enfim, esquerda do governo Dilma começa a reagir ao discurso de Levy

Autor: Miguel do Rosário
Tijolaço

A ala esquerda começa a se mexer

miguel rosseto

O ministro Miguel Rosseto, da secretaria-geral da presidência da república, mostrou, finalmente, a que veio.

A sua declaração sobre o seguro-desemprego reflete a verdadeira posição do governo, porque muito mais orgânica em relação ao PT e muito mais coerente em relação ao eleitor ideológico de Dilma, do que as gracinhas de Levy para a imprensa estrangeira.

Rosseto declarou: ninguém toca no seguro-desemprego. E qualquer mudança terá de ser discutida com as centrais sindicais.

As frases de Rosseto não bastam para dar tranquilidade total à classe trabalhadora, que gostaria de ouvir coisa parecida da boca da própria presidenta da república.

Até o momento, Dilma só participou de uma tertúlia com jornalistas da grande mídia, na qual tentou dizer coisas agradáveis aos ouvidos do baronato.

Mas revela que, após semanas de irritante silêncio, a ala esquerda do governo começou a se mexer.

A ala esquerda do governo é formada por Rosseto, Berzoini, Jacques Wagner e a própria Dilma.

Até o momento, tem se mantido de cabeça baixa, supostamente por entender que se trata de um governo de coalizão, com todas as dificuldades inerentes ao sistema democrático que vivemos.

A democracia é um sistema difícil, doloroso, lento, que permite a contradição interna.

Mas que permite um grau de liberdade e direitos humanos infinitamente superior a qualquer ditadura.

Na China, por exemplo, não tem papo. Se houvesse uma operação Lava Jato por lá, eles fuzilariam meia dúzia de executivos, e acabou.

Resolveriam tudo em duas semanas. As obras não sofreriam um dia de atraso.

Uma conspirata entre promotores e mídia, contra o governo, faria os chineses darem risada: dariam solução em 48 horas, prendendo os conspiradores, fuzilando-os e mandando a conta da bala para suas famílias.

A democracia tem seu preço, alto. É um sistema instável por natureza. A distribuição do poder para promotores, juízes, delegados, imprensa, produz núcleos conspiratórios que só não derrubam a democracia porque ela tem anticorpos. Os anticorpos são os contrapesos.

É o jogo de “checks and balances”, conforme definido por um dos teóricos fundadores da democracia moderna, Alexander Hamilton, ou freios e contrapesos.

O poder do judiciário compensaria o poder do executivo, e o poder do legislativo compensa o poder judiciário.

O problema, no Brasil, é a entrada da mídia, como um quarto poder, e a consolidação do Ministério Público, como um quinto poder.

Por causa disso podem ocorrer desequilíbrios, que são explorados por agentes econômicos poderosos, donos da mídia, para manipular a opinião pública.

No longo prazo, as coisas se resolvem.

No curto e médio prazo, no entanto, é preciso muita luta para compensar a desproporção extraordinária, no Brasil, entre o poder de comunicação de um reduzido setor da elite financeira, e o da maioria da classe trabalhadora.

Uma desproporção criada na ditadura, que o governo ainda não teve a competência e a coragem de procurar reduzir, o que se configura, cada vez mais, um erro trágico.