Falta descobrir que os tucanos queriam acabar com as universidades públicas

Autor: J R Braña B.

 

No governo tucano de Fernando Henrique Cardoso nenhuma universidade pública foi inaugurada no Brasil.

Zero.

A política do PSDB sempre foi acabar com o ensino público superior .

Para favorecer os empresários donos de faculdades.

E ferrar os pobres que ficariam excluídos.

Por isso o povo de Minas Gerais dizia na campanha que o Aécio era o inimigo Nº 1 da Educação Pública e Gratuita.

No governo Lula e Dilma, ao contrário, foram criadas 14 (repito: 14 Universidades Púbicas) e 290 Escolas Técnicas.

Quer um exemplo no Acre?

Em vários municípios há o Ifac (criação de Lula e Dilma).

Agora os estudantes que precisam cursar a faculdades encontram dificuldades na Uninorte, uma universidade particular.

Que o governo federal fez convênios também com esse tipo de instituição  particular para que estudantes de famílias pobres, que não têm condições de pagar uma mensalidade cara pudessem se formar.

*(É o Fies (Fundo de Financiamento Estudantil).)

O governo Lula e Dilma criaram o Fies, onde o Estado paga às universidades particulares a mensalidade do aluno que não pode pagar.

E depois de formado o beneficiário devolve o financiamento da forma mais fácil possível em parcelas irrisórias (confira aqui)

Hoje, o sítio Acre24horas mostra uma menina dizendo que o tratamento aos alunos que não são ricos na Uninorte não tem sido fácil.

Imagina se o PSDB/Oposição tivesse ganho a eleição presidencial.

Até a UFAC, que é publica e gratuita, estaria correndo risco.

Como correu na época de FHC…

A Ufac vivia na penúria…

Aos poucos a sociedade vai descobrindo as coisas…

estudantes


 

* O que é o Fies

O Fundo de Financiamento Estudantil(Fies) é um programa do Ministério da Educação destinado a financiar a graduação na educação superior de estudantes matriculados em instituições não gratuitas. Podem recorrer ao financiamento os estudantes matriculados em cursos superiores que tenham avaliação positiva nos processos conduzidos pelo Ministério da Educação.

Em 2010 o FIES passou a funcionar em um novo formato. O Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) passou a ser o Agente Operador do Programa e os juros caíram para 3,4% ao ano. Além disso, passou a ser permitido ao estudante solicitar o financiamento em qualquer período do ano.