Difusora de Sena responde críticas: ‘Cumprimento da legislação’

by Maria Lúcia, edição

 

O diretor da Difusora AM 670, de Sena Madureira, em contato com oestadoacre.com nesta noite deu sua versão para o desentendimento havido nesta segunda envolvendo a emissora, a empresária Charlene Lima e o vereador Tom.

Segundo Rivaldo Severo, a emissora não censura ninguém, mas ‘apenas cumpre as orientações da secretaria de Comunicação do estado para que a rádio e ele próprio não sofram sansões judiciais por conta de material que possa ser entendida como propaganda eleitoral em ano que vai ter eleições.

-Recebi aqui na rádio a senhora Charlene e o vereador Tom, que queriam falar ao vivo sobre um evento do PV. Expliquei que eles poderiam gravar que a emissora divulgaria. Gravar por quê? Porque se a justiça eleitoral, o MP questionar, a rádio tem como mostrar que a responsabilidade foram deles. Já respondi vários processos na campanha passada por conta disso e se eu descumprir as regras e os meus superiores eu é que terei de arcar com os custos de advogado para me defender. Não tenho dinheiro para arranjar advogado toda hora. A orientação que temos é que a rádio deve agir com equilíbrio para, se não ajudar, também não prejudicar ninguém.

Conforme Rivaldo, ‘a conversa entre ele o vereador ficou ‘um pouco tensa’, mas no final o próprio vereador me pediu desculpas e me abraçou.’

rivaldo severo
Rivaldo Severo, diretor da Difusora de Sena Madureira

Nota do vereador Tom aqui

1ª confusão das eleições 2016: Charlene e direção da Difusora de Sena