Brito: O PiG vai pra cima de Bolsonaro

isolado #

oestadoacre reproduz artigo de Fernando Brito sobre o posicionamento editorial dos principais jornais do Brasil em relação desastre do governo Bolsonaro.


Brito: Bolsonaro isolado; Heleno gruda Exército ao desastre

 

Fernando Brito, Tijolaço

Os editoriais dos principais jornais brasileiros neste final de semana, todos violentos não apenas contra Jair Bolsonaro não perdoam o general Augusto Heleno, um personagem que, deveriam atentar os militares, é considerado pelo Estadão “não só (…) completamente despreparado para o cargo que ocupa, como considera ” democracia” o regime em que Bolsonaro manda e os demais obedecem”.

“Mais do que isso: colabora decisivamente para que suas atitudes irresponsáveis, de natureza essencialmente pessoal, pois sua função não é falar em nome do governo, sejam confundidas com o pensamento das Forças Armadas. Assim, urge que os comandos militares desvinculem as Forças Armadas desses … para desgraça do País, chegaram à Presidência nas eleições de 2018. Se não o fizerem imediatamente, e de maneira clara, correm o risco de de ver sua imagem, duramente reconstruída depois de 20 anos de ditadura, atrelada a um governo que flerta dia e noite com a ruptura.”

O Globo pergunta que o general da reserva considera que as Forças Armadas se disporiam a quebrar a ordem institucional que perdura há 32 anos, investindo contra o Supremo, que cumpre ritos legais, respaldados na Constituição?

Diz que Heleno atraiu “justificadas reações de repúdio e para confirmar que o calejado general da reserva passou a fazer parte do núcleo ideológico do bolsonarismo”.

A Folha endurece no título – Bolsonaro mente -, diz que ” o encontro do ministério entra para a história dos 130 anos da República no Brasil como um dos episódios mais execráveis do exercício do poder presidencial” e descarrega chumbo sobre o aval de Augusto Heleno – sugerindo que fala em nome das Forças Armadas – ao mentiroso.

A apuração dos crimes atribuídos ao Presidente] não pode se deter, ademais, diante de ameaças abjetas como a do general Augusto Heleno, do GSI, segundo o qual uma eventual apreensão do celular presidencial teria “consequências imprevisíveis”. Dados a baixeza e o desvario mostrados numa reunião formal, assusta de fato imaginar o que Bolsonaro diz em privado.