Prólogo 46…iminente: Neste instante há um homem…

prologo46

É histórico as veias entupidas do Brasil, que hoje, mais do que nunca, sangram. O globo atravessa uma pandemia. Examine, no centro está nosso estremecido país que não tem um profissional da saúde no mais alto posto do MS.

Nos discursos oficiais têm lero-lero, papo-furado, pouca vacina, um triz de política pública e muuuiitooos golpistas. No ofício da presidência tem uma mente quase vazia, não fossem as asneiras embutidas constantemente.

Em seguida de chapada, nós, o povo, adoentados, alagados e sem leitos, pois simplesmente não há vagas. As ruas estão desconsoladas e as comunidades se alegram como conseguem. Cotidianamente a morte envia uma solicitação.

Neste instante há um homem, idoso, magro e tossindo desesperadamente. Ofereço um pouco de água, chamar uma ambulância…

-Um cigarro por favor e uma cadeira! diz seu Santos.

-É muito sofrimento – me conta, agora, que estamos os dois sentados na calçada um em frente ao outro…

homem

(João Lucas)