Dep Gonzaga: ‘Construção de Rodovia Cruzeiro-Pucallpa é irreversível’

#aleac

aleacdivulgação

gonzaga
dep Gonzaga, que defende construção de rodovia Juruá-Pucallpa

Gonzaga diz que estrada para Pucallpa é irreversível, está dentro da legalidade e tem apoio do povo peruano

 

“O fato do Congresso peruano ter declarado de interesse nacional a construção da rodovia Cruzeiro do Sul/Pucallpa é a comprovação maior da importância desta importante obra de integração, que conta com o apoio da sociedade peruana – quanto a isso não tenho qualquer dúvuda”, disse o deputado Luiz Gonzaga (PSDB), reagindo à declaração do ministro do Meio Ambiente do Peru, Gabriel Quijandría, que em coletiva à imprensa posicionou-se contrário à obra.

Segundo Gonzaga, a delcaração de interesse nacional pelo Congresso peruano é a comprovação de que o projeto conta com o apoio da sociedade e das autoridades do país vizinho, principalmente da classe política e empresarial dos municípios e estados que serão beneficiados.

“A obra vai aumentar sobremaneira o trânsito de pessoas e mercadorias, impulsionando o desenvolvimento de regiões historicamente isoladas da selva peruana, como Pucalpa e Loreto, que também participaram do ciclo da borracha e que padecem de problemas semelhantes aos nossos”, explicou o parlamentar.

Na companhia de políticos, gestores e empresários brasileiros, o deputado cruzeirense participou de seminários, reuniões e feiras de negócios em Pucallpa e outras cidades daquele país, oportunidade em que diz ter comprovado a empolgação dos peruanos com a futura rodovia.

O deputado disse ainda que a construção da estrada do lado brasileiro tem previsão legal desde a criação do Parque Nacional da Serra do Divisor, e que serão respeitadas todas as normas ambientais previstas no Código Florestal e na legislação estadual sobre o assunto.

Finalmente, contextualizou a declaração do ministro peruano: “agora em julho o Peru terá novo Presidente da República; estou convencido que o projeto de construção da rodovia é atualmente irreversível; ela vai revolucionar a economia do Vale do Juruá”, concluiu.

(aleac)