Ex-ministro diz que Bolsonaro mandou sobrevoarem STF para quebrar vidros

#jungmann

Veja/DCM

jungmann
Ex-ministro da Defesa, Raul Jungmann

Ex-ministro da Defesa, Raul Jungmann relatou, em entrevista à Veja, um plano, no mínimo controverso, do presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

Na conversa, ele externou a preocupação com a presença de coronéis e generais à frente de cargos importantes para os quais não foram preparados, como o de ministro da Saúde, em plena pandemia.

O ex-ministro também refuta a possibilidade de militares embarcarem em uma potencial aventura golpista do mandatário.

Qual o plano de Bolsonaro?

 

Leia, abaixotrechos da entrevista:

A saída dos três comandantes das Forças Armadas, em março, foi, de fato, algo inédito. O que motivou a demissão?

O respeito à Constituição. Ele chamou um comandante militar e perguntou se os jatos Gripen estavam operacionais.

Com a resposta positiva, determinou que sobrevoassem o STF acima da velocidade do som para estourar os vidros do prédio.

Bolsonaro mandou fazer isso, tenho um depoimento em relação a isso. Ao confrontá-lo com o absurdo de ações desse tipo, eles foram demitidos.

Há risco de ruptura democrática nas eleições de 2022?

As Forças Armadas não estão disponíveis para nenhuma aventura ou golpe.

Em 1964, existia apoio de setores da imprensa, da Igreja, do empresariado, fora uma situação internacional que favorecia um golpe de Estado.

Hoje, não há ambiente para um golpe de Estado. Não tem nenhuma força política a favor disso, muito pelo contrário. Seria um raio em céu azul.