Crônica de Dandão: As seleções do meu compadre

#compadre

cronica 2

As seleções do meu compadre

 

dandãoFrancisco Dandão – Um dia desses, eu resolvi entrevistar o meu compadre José Augusto Fontes, juiz de direito, memorialista, e poeta dos melhores que o Acre já viu nascer. E no meio das questões, como eu sei da sua paixão pelo futebol, pedi que ele escalasse duas seleções: a acreana e a brasileira de todos os tempos.

Foi aí que o bicho pegou. Meu compadre, que vinha respondendo às perguntas na maior desenvoltura e com a elegância que desde muito tempo constituem o seu verbo, deu uma “engasgada” e começou dizendo que a tarefa era por demais ingrata, uma vez que deixaria muita gente boa de fora.

Nas palavras dele, “uma seleção brasileira de todos os tempos com apenas onze jogadores vai deixar de fora muitos craques. Seleção do Acre, também”. E citou uma fala do Gerson, o Canhotinha de Ouro, sobre uma vaga do Neymar no time de 1970. “No lugar de quem?”, teria dito o Gerson.

Para não me deixar sem resposta, entretanto, o meu compadre disse o seguinte sobre a seleção brasileira de todos os tempos: “Seria a de 1970, incluindo Garrincha e Ronaldo. Ou a seleção de 1982, incluindo Pelé, Garrincha e Ronaldo. Poderia também ser a de 2002, com Pelé e Garrincha”.

Como o meu compadre não disse no lugar de quem os seus escolhidos entrariam, eu fiz aqui um exercício de imaginação para tentar descobrir. Na seleção de 1970, Garrincha entraria no lugar de Jairzinho. Cabia bem, cabia sim. Já o Ronaldo, quem poderia sair para lhe ceder a camisa? Quem?

Quanto à seleção de 1982, tranquilamente Serginho e Éder poderiam ceder os seus postos a Pelé e Garrincha. Mas o Ronaldo (outra vez ele), quem seria sacado para colocar o Fenômeno em campo? Alguém do meio campo? No caso os caras eram o Zico e o Sócrates? Só isso. Dois fora-de-série!

No tocante à seleção de 2002, cujo ataque era formado por Ronaldinho, Ronaldo e Rivaldo, eu penso que dava para deixar todos em campo e sacar os volantes: Gilberto Silva e Kleberson. Com os três citados, mais Pelé e Garrincha em campo, a seleção não precisaria de volantes… Rs.

Quanto à seleção acreana de todos os tempos, vejam a resposta do meu compadre. Goleiro: Zé Augusto ou Ilimani ou Klowsbey. Linha de zaga: Mauro, Deca, Curica ou Paulão e Duda ou Antônio Maria. Meio-campistas: Emílson ou Eusébio, Dadão, Carlinhos ou Careca ou Doka Madureira.

Como assim? O meu compadre escalou vários caras na mesma posição? Isso mesmo. Mas então eu pensei: no ataque ele vai escolher apenas dois mesmo. Ledo engano. Ele disse: Bico-Bico ou Julião, Touca ou Roberto Ferraz e Artur ou Paulinho. Eu acho que levei um drible do meu compadre!

Francisco Dandão – compositor, professor, doutor, escritor, jornalista e tricolor