João Veras: ‘As duas caras de Heloy de Castro…’

#heloydecastro

Durante a pandemia, Helóy tinha certeza que ia morrer. Que o seu mundo finalmente chegaria ao fim. Que não tinha jeito. E foi logo dando o nome ao que seria a sua última obra: Foi demais pra mim.

heloy

Por João Veras, músico

As duas caras de Heloy de Castro é uma só: Música

I – Foi Demais pra Mim é o novo CD duplo de Helóy de Castro que será lançado no dia 17 próximo no Studio Beer, em Rio Branco. Não preciso dizer que será uma festa. Digo que será mais que isso. Será uma celebração à vida num turvado tempo de morte e silêncios perplexos. E um antídoto para este tempo, só a música!

Durante a pandemia, Helóy tinha certeza que ia morrer. Que o seu mundo finalmente chegaria ao fim. Que não tinha jeito. E foi logo dando o nome ao que seria a sua última obra: Foi demais pra mim. Mais que um nome de música, um epitáfio. O resumo da obra, da vida. Um balanço final. Com isso, ele só queria ficar mais tempo aqui depois da partida. Nada como uma obra de arte largada ao mundo com seus próprios pés. Nem precisava. Já tem um inventário musical suficiente. O fato é que uma música virou 33 faixas de um CD duplo e a “carta de adeus” se transformou numa série, com episódios, temporadas.

É que Helóy errou no cálculo. Não foi dessa vez. Sobreviveu a tudo e conseguiu entregar a encomenda que fez para si – e que fica para todos: belas composições que revelam o enredo de uma vida de 70 anos, dos quais sua grande maioria dedicada à música, um acumulado arquivo de crônicas pessoais, sociais, artísticas, dezenas de convidados, parceiros músicos e não músicos. Na verdade, o Acre quase todo, a cidade de Rio Branco em peso e uma boa parte de São Paulo e, claro, de Minas Gerais, sua Rio Novo….

O álbum duplo até parece uma reunião, do tipo daqueles momentos raros (como um velório, sim, mas aqui um “desvelório”) da vida em que todo mundo se encontra para celebrar a memória, os feitos, a obra de quem se foi. Total engano, graças à vida, graças à música! Foi demais pra mim é a volta daquele que não foi. O que nunca é demais.

II – Cabe, de forma brevíssima, uma palavrinha sobre a obra, para não deixar de falar sobre essa coisa de música acreana. Pensando sobre a estética deste álbum, não o vejo restrito aos dogmas culturais do tipo estereótipos exóticos que teimam em aplicar, para reduzir, o que se entende e nomeia como coisas ditas locais, nem daqui nem de onde Helóy veio. Não é por isso que não seja possível identificá-lo como algo específico, o que não pode significar, de outro modo e lado, reduzí-lo pela alcunha, igualmente redutora, de universal.

A singularidade do estilo deste CD se encontra justamente na ausência de uma estampa única e sim no que resulta do acumulo de diversidades de temas, de estilos, de ritmos… em uma obra que não consegue se desligar de seu autor, de sua digital, porque este não logra se desplugar do que ver, do que ouve, do que sente, do que vive, de ser o que é, na medida em que vai sendo nas dinâmicas da criação e da sua relação com as cenas da vida, seus territórios físicos e imaginários. Vem daí a latência e a expressão da sua exclusividade substanciada no amalgamento do próprio com o que não é próprio, o pressuposto para uma obra de estilo num contexto plural de tantas outras, enfim.

(João Veras)

Quer contribuir com oestadoacre?…deixá-lo cada vez mais autônomo..podendo falar de tudo sem amarras…plural, democrático…defensor dos Direitos Humanos (do emprego, do salário, da justiça social)?…oestadoacre é fulcral nessa terrinha…ajude com qualquer quantia…pix/chave: [email protected]