Opinião dos Outros: Olavo de Carvalho…

#fernandohorta

opinião dos outros

Fernando Horta, Professor e Historiador, que um dia, junto com amigos, resolveu participar de um ‘curso’ ministrado por Olavo de Carvalho, que morreu esta semana nos EUA e que foi um dos gurus antivacina e anticiência do bolsonarismo,…revela:

-Há uns dois anos um grupo de acadêmicos (doutores e doutoras) resolvemos levar a sério Olavo de Carvalho. O tal curso dele tinha mais de 580 aulas e nas propagandas afirmava que tratava de mais de 350 autores.

-Uma boa tese de doutorado usa 150 a 200 referências bibliográficas em média. Mas isso não quer dizer que um doutor saiba dar aula sobre 300 autores. Se você sair de um doutorado podendo falar – com propriedade – sobre 5 autores, fizeste um grande trabalho. 10? Foste muito bem.

-Professores doutores de universidades vão envelhecendo e agregando autores. A prática docente exige que você “inclua” uns dois ou três autores por ano nesta lista. Fazendo as contas, um prof. Dr. Com 30 anos de universidade conseguiria falar com propriedade de no maximo 100 autrs

-Mais de 350? Era clara a picaretagem. No entanto, era necessário que nós levássemos a sério. Um de nós se matriculou no tal “curso” e selecionamos autores em que éramos especialistas. Me recordo de ficar incumbido de ver as aulas em que ele falava de Paul Ricour e Paul Kennedy.

-Ricour é um representante da filosofia analítica francesa com uma obra-chave extremamente difícil de se ler (tempo e narrativa) dividida em 3 tomos. Kennedy é um historiador britânico conhecido pelo seu “ascensão e queda das grandes potências” e é especialista no século XX.

-Outros colegas pegaram Hegel, kant, Platão e etc. Combinamos de assistir as aulas sobre Marx juntos. As aulas que assisti tinha entre uma hora e meia e duas horas. Durante esse tempo o astrólogo fazia referência aos autores não mais do que meia dúzia de vezes.

-O resto do tempo eram xingamentos e enrolação. Depois de duas semanas eu estava constrangido. Tinha assistido às duas “aulas” com o estômago embrulhado e a certeza que o astrólogo não tinha lido Ricour e muito pouco do Kennedy. Era difícil até fazer crítica. Nada era aproveitável

-Nos reunimos todos e a percepção da picaretagem era consenso. O colega especialista em Hegel (sim isso é possível) dava pulos de indignação. No meu caso o astrólogo só enrolava, mas em Hegel ele “reescreveu” parte do pensamento hegeliano. Me lembro de fazer uma piada…

-Disse que era um hegelianismo de viés olavista. O que me rendeu um olhar de fúria mortal do colega especialista. O problema era que tínhamos que ver as aulas sobre Marx juntos. Na Internet tem listas de ex alunos dele que fazem um “inventário das obscenidades”, como apelidamos.

-Fazem listas das “citações dos autores” por aula. Separamos duas aulas de Marx. A técnica era a mesma, superficialidades, chavões, palavrões, quando muito, obviedades. No final, éramos cinco doutores que tínhamos assistido a oito horas de olavismo…

-Ficamos com a certeza de termos perdido oito horas da nossa existência sem absolutamente nenhum propósito. Olavo nunca soube sobre o que falava, mas falava para pessoas que sabiam ainda menos. Essa era a fórmula do seu sucesso. Como todo picareta, ele se beneficiava da ignorância

-Debatemos se deveríamos enfim fazer o material de crítica que tínhamos nos proposto. Confesso que não vi sentido. Não libertaríamos aquela legião de jumentos de suas prisões olaviaticas e não seríamos lidos por qualquer pessoa séria.

-Não imaginávamos que ele seria “guru” de um governo responsável pela morte de 620 mil pessoas e a fome de milhões. Ainda hoje me arrependo de não ter tentado desmascarar o farsante e me engano pensando que poderíamos ter diminuído a força da ignorância se tivéssemos confrontado.

-Que bom que sua existência terminou. Não tenho a grandeza de sentir pena. Já foi tarde. Nas aulas que falava de “positivismo”, tocou, entre palavrões e xingamentos, no nome do autor relacionado a sua morte. Ao falar de Darwin, disse que era “esforçado mas não muito inteligente”.

(https://twitter.com/FernandoHortaOf)