Após dois dias de ganho, dólar volta a fechar em queda

dolarO dólar voltou a fechar em queda nesta sexta-feira (29), perdendo força após dois dias de ganho sobre o real. A moeda norte-americana terminou o dia vendida a R$ 1,551, em queda de 1,15%, abalada pela incerteza sobre a dívida soberana e o crescimento econômico dos Estados Unidos, que derrubou o dólar em todo o mundo.

Na semana, a moeda teve perda de 0,27% e na semana, de 0,70%. No ano, a queda acumulada chega a 6,8%.

Nos últimos dois dias, o dólar havia registrado alta de quase 2%, com a adoção de um imposto sobre operações com derivativos de câmbio. A moeda era cotada antes nos menores níveis desde 1999, e o governo tinha a intenção de frear a valorização do real para proteger as exportações.

Mas os fatores internacionais voltaram a pesar nesta sexta-feira, e o dólar sofreu com a indefinição a respeito da dívida dos Estados Unidos. Se o Congresso daquele país não chegar a um acordo até 2 de agosto para elevar o teto da dívida, o país pode ser forçado a dar um calote.

Os republicanos da Câmara dos Estados Unidos tentam nesta sexta-feira, pelo terceiro dia consecutivo, aprovar o projeto sobre o teto da dívida, que quase não tem chance de sobreviver no Senado, mesmo com a aproximação da data-limite para evitar um potencial default do governo.

A notícia de que os Estados Unidos crescem a um ritmo mais lento do que o previsto também abalou o dólar. O Produto Interno Bruto (PIB) do país teve expansão de apenas 1,3% no segundo trimestre, enquanto economistas esperavam uma taxa de 1,8%.

“O mercado é escasso de comprador. Não tem ninguém querendo comprar dólar, só o Banco Central”, disse José Carlos Amado, operador de câmbio da corretora Renascença. A autoridade monetária realizou dois leilões de compra de dólar no mercado à vista nesta sexta-feira, repetindo a atuação dos últimos dois dias.

A taxa Ptax , usada para a liquidação de contratos futuros e derivativos em vencimento, fechou a R$ 1,5563 para venda, em baixa de 0,56%.

Altas
Na quarta e quinta-feira, o dólar reagiu à Medida Provisória publicada pelo governo na véspera, que permite a taxação até o limite de 25% das operações feitas por investidores brasileiros e estrangeiros no Brasil com instrumentos financeiros chamados de derivativos financeiros, para tentar conter a queda do dólar.

Em entrevista concedida depois da publicação da MP, o ministro da Fazenda Guido Mantega disse que será cobrado 1% de Imposto Sobre Operações Financeiras (IOF) nas transações financeiras chamadas de derivativos, usados como apostas das empresas e bancos, brasileiros e estrangeiros no mercado futuro – que pressionam para baixo a cotação do dólar.