Comércio se prepara para as contratações temporárias

Apesar do ritmo menor de contratação observado este ano, as perspectivas de contratações temporárias no comércio são positivas. Confirmada a previsão de crescimento das vendas no comércio varejista ampliado para 2012 em 6,9% em relação ao ano passado, o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), deverá registrar a contratação líquida (admissões menos demissões) de aproximadamente 210,8 mil empregados no comércio entre os meses de setembro e novembro deste ano.

Manoel_Neto_2Deste total, 134,4 mil deverão ser contratados sob o regime temporário e treinados para atender às vendas de fim de ano. Do total das vagas a serem criadas no comércio, 93,7% (125,9 mil) serão abertas no varejo. Especificamente nesse subsetor, a forte oscilação sazonal nas vendas estimula a contratação e o treinamento de mão-de-obra temporária nos três meses que antecedem o pico do seu faturamento anual.

O superintendente do MTE no Acre, Manoel Neto, informa que a tendência é de crescimento do emprego formal no Brasil todo, em razão principalmente dos eventos internacionais que vão acontecer ao longo desses seis anos. “Em todo o país, sobretudo no Acre, há uma aposta na infraestrutura e na indústria da construção civil. A construção move um arco de atividades econômicas muito amplo, desde o comércio varejista até outras atividades”, disse.

Manoel destaca ainda que trabalhador temporário tem os mesmos benefícios e salário dos outros funcionários. “Aúnica diferença fundamental é que esse trabalhador sabe o dia em que vai entrar e o dia em que vai sair, sendo assim ele não tem direito ao aviso-prévio. A jornada dele é, em média, 44 horas semanais. Ele tem direito ao FGTS, ao décimo terceiro proporcional, às férias proporcionais. Então todos eles estão resguardados”.

De janeiro a agosto de 2012, o comércio gerou 72,1 mil postos de trabalho formal, o que representa crescimento de apenas 0,85% do estoque de trabalhadores do setor.