Agora é oficial: a SP tucana secou de vez

A grande e decadente mídia brasileira faz um alarde quando faltam 20 minutos de energia, mas não faz a mesma coisa com a incompetência tucana em São Paulo e a falta de água – J R Braña B.

 

SABESP LANÇA O ”DISQUE-SECA” E, AFINAL, ASSUME RACIONAMENTO: ATÉ 18 H SEM ÁGUA POR DIA

saara

Fernando Brito
Tijolaço

Finalmente a Sabesp, ainda que continue fugindo da falar em racionamento, assume na prática que está havendo um, sistemático e com hora marcada, para quase todos os moradores de São Paulo.

É o 195, o “Disque-Seca”, telefone pelo qual os paulistanos ficam sabendo a que horas não vai entrar água em suas caixas d’água e o horário em que ela vai voltar a ser fornecida.

Ou seja: qual é o período de racionamento.

Embora o repórter não do Estadão perceba, no meio de sua matéria há a primeira informação numérica de quanto está havendo de redução do consumo por corte, não por atitude dos próprios consumidores economizando água.

E o número é este: 60% do que se gasta a menos é provocado por falta d’água, não por “consumo consciente”.

Como a redução do fornecimento de um ano para cá chega a 15 ou 16 litros por segundo, 60% disso representam perto de 10 mil litros por segundo, ou 850 milhões de litros por dia.

Quer tornar isso concreto? Essa quantidade de água corresponde 85 mil caminhões- pipa, todos os dias. Uma fila de veículos  que iria e voltaria toda a distância entre São Paulo e Curitiba.

Este é o tamanho da “restrição hídrica” do governador Geraldo Alckmin.

Que a seca é grave, gravíssima, ninguém deixa de reconhecer e, ontem, aqui se mostrou a dramática restrição das chuvas.

Mas não é possível que 15 ou vinte minutos de queda de energia elétrica num dia sejam um escândalo e 18 horas sem água todos sejam “coisa da vida”.