Acreana que mora em Paris: ‘Situação complicada’

Acreana que mora em Paris: ‘Situação complicada’

 

Do G1 via Página 20

De apartamento, acreana escuta tiros e fala de ‘choque’ em Paris

Moradora do 11º arrondissement, bairro de Paris que fica na região em que ocorreram ataques terroristas na noite de sexta-feira, 13, a acreana Zinha Ruela, que vive na cidade há 18 anos, diz que do apartamento dela foi possível ouvir os disparos de metralhadora na casa de shows Bataclan, onde mais de 100 pessoas foram mortas.

Zinha conta que mora a aproximadamente 1 km da casa de shows e do restaurante Le Petit Cambodge, outro alvo dos ataques. “O restaurante é um lugar que vou frequentemente, saio a pé de casa para ir lá comer, tenho fotos nesse terraço [onde ocorreu o atentado]. Daqui de casa deu para ouvir as rajadas de metralhadora ainda”, diz.

A acreana diz que estava voltando de carro para casa quando recebeu uma ligação do filho, que vive no sul da França, perguntando se ela estava bem. Depois disso passou a acompanhar as notícias pelo rádio.

Segundo ela, o clima na cidade é de choque. “As ruas foram ficando desertas, as pessoas voltando para casa, os carros com pisca alerta. As pessoas querendo se refugiar. A tristeza é imensa, todo mundo se ligando e mandando mensagem”, conta.

zinha
Zinha, acreana da Cohab do Bosque, que mora em Paris

(…)

“Foi muito chocante o que aconteceu em janeiro, havia sido sem precedentes. Nos atentados de hoje, acredito que o número de mortos no final será 10 vezes maior, mas confesso que não era algo inconcebível. Minha opinião era que antes do final ano aconteceria uma tragédia maior que a ocorrida no começo do ano”, diz.

“São questões políticas, religiosas, e não entendo como o mundo ainda não se reuniu para exterminar esse estado criminoso que faz reféns no mundo inteiro. É difícil falar o porquê, mas a situação está complicada e acho que não vai parar por aí”,

(…)

Zinha diz que não pensa em voltar ao Brasil. “Não tenho espírito de recuar. Acho que não é a solução deixar que o mal tome conta e se apodere do mundo. Aí no Brasil temos nossos problemas, que não são fáceis. Aqui é outro contexto, a França é um país geograficamente localizado no centro da Europa. É um país dos direitos humanos, dos direitos sociais”, enfatiza.

Amiga de muçulmanos, ela salienta ainda que é preciso separar os seguidores do Islã de terroristas. “A França é um país que acolhe muitos muçulmanos e não acredito que possamos considerar os terroristas muçulmanos. Por conhecer muitos deles, acho que não tem nenhuma ligação. É importante lembrar que muitos países do mundo armaram, treinaram e criaram o que hoje se tornou o Estado Islâmico”, finaliza.

 

Acompanhe ao vivo de Paris pelo Canal France 24