‘Rio Persistente’ (poema de Amanda, estudante de Sena, que vai representar o Acre na Bahia

amanda

Amanda dos Santos, estudante da 5ª Série da Escola Eliziário Távora, de Sena Madureira:

Amanda irá representar o Acre em um evento nacional que ocorrerá no mês de novembro em Savaldor, capital da Bahia.

Rio persistente 

Nascido no seio da Amazônia,

Vem pelo cantinho do Acre

Com suas águas amarronzadas

A correrem radiantes,

Ante a luz do luar…


Bravo como um touro

Bate no barranco!

Pah – pah – pah…

Abrindo caminho

Para a vida passar


Encontra em seu percurso

Olhares famintos

Bocas sedentas

E vai aliviando

Desejos e sofrimentos


Ah iaco!

Histórias tens a contar

Por tanta experiência passaste

Viu Sena nascer

Viu Sena mudar!


O progresso que te trouxe esperança

De um futuro promissor,

Trouxe também a matança

Da tua natureza, teu vigor!


Iaco, Oh Iaco…

O que tens debaixo de tuas águas?

Perigos, escuridão?

Esgoto, poluição?


Tu és um tesouro

Que teu povo tem!

Mas teu valor é ignorado

E teu leito, emporcalhado!


Vemos lixo destoar tua beleza

Manchar tua aparência

A poluição tornou-se doença

Que corrói a tua essência


Iaco, oh iaco!

Como a vida tu és!

Enfrenta desafios

Sem “arredar os pés”!


Ao longo dos anos, conquistaste

Tuas “cheias” imponentes

Trazem sempre renovação

Do solo, da plantação


Ao longo dos anos, fracassaste

Tuas “secas” severas

Sugam o sangue latente

Da tua Margem, da tua gente


Assim acolhestes em teu leito

Uma estranha contradição:

Tens brilho, vida, grandeza

Tens lixo, morte, destruição


Tu que és bravo e persistente

Como irás vencer a guerra

Contra a desumanidade

De toda essa gente?


Iaco, oh iaco!

Neste poema venho te indagar:

Tu vais resistir…

Ou vais cair e chorar?