João Rocha, 75 (Campinas-SP): Cartas do Acre

cartas-do-acre

Prezado Srs.(as)

Na Agência de viagens, em 2013, solicitei informações de voos para Rio Branco –  Acre. A jovem que me atendeu perguntou-me se era no Brasil ou no exterior. Eu disse que era no Brasil, terra de Chico Mendes. Pergunguntei se ela sabia quem foi Chico Mendes, ela disse que nunca havia ouvido falar. Em minha opinião, não é culpa dela. É do sistema. Conheci Chico Mendes, sua luta e, conheço seu legado e sua história acho injusto o que ocorre com a memória desse herói.
Por isso procuro, dentro do possível, divulgar essa história em jornais, revista, rádio e redes sociais.
Estou enviando=lhes anexado uma parte do meu acervo.

Em 1980,  à convite das Comunidades Eclesiais de Base -CEBs, o  Chico Mendes, esteve em Campinas – SP,  fazendo uma série  Palestras.

A coordenação das CEBs achou que seria interessante o Chico Mendes se hospedar na casa de um operário, para troca de experiência. Foi sugerida a minha casa.  Portanto, hospedamos o Chico Mendes, no período que ele esteve em Campinas  Conversamos muito sobre  nossas experiências e nossas lutas. Eu era metalúrgico, ativista dos movimentos  sindical, popular, membro da CEBS.

Depois que ele retornou ao Acre,  continuamos a nos comunicar, através de cartas, onde retratam a realidade daquele momento triste da história do Acre e dos seringueiros.

Em dezembro de 2009, realizei um antigo sonho: conhecer o Acre a terra de Chico Mendes. Fui muito bem recebido pelos familiares e antigos amigos do Chico, pelo prefeito de Xapuri e o governador Binho. Na época as Cartas foram objeto de matéria publicada no Jornal página 20.

Dia 13 de dezembro próximo, voltarei ao Acre para assistir as homenagens da Semana Chico Mendes.  As cartas farão parte da minha bagagem.

Certo de contar com vossas atenções, agradeço.

Saudações,

João Rocha – 75 anos
Caraguatatuba SP – 8 de dezembro de 2016
Metalúrgico Aposentado
Foi diretor do Sindicato dos Metalúrgicos de Campinas, Cassado em 64