Penas de meio século para Cabral e Eike são um “delata que te solto”

Brito mata a charada fácil, fácil…né? – J R Braña B.

Fernando Brito
Tijolaço

O Ministério Público Federal pediu penas de 44 e 50 anos para Eike Batista e Sérgio Cabral Filho.

Como as condenações superiores a oito anos só admitem regime semiaberto depois de cumprido um sexto da pena, isso significaria que, para irem para a tornozeleira, o empresário teria de gramar na cadeia até abril de 2024 e o ex-governador até março de 2025.

A menos que….

Bem, alguém duvida que vai ser oferecido um “facilitário” a ambos?

Para sair da cadeia depois de alguns meses, alguém acha que eles não denunciam até as próprias mães?

Quantos anos de cadeia a menos vale uma “delaçãozinha” contra Lula ou Dilma?

Sabe como é, se falarem o que eu quero ouvir, roubar é menos grave, não é?

Os dois –  um por ser governador de um estado importante, outro por ser um dos maiores empresários do país – têm encontros com os ex-presidentes à vontade nos quais inserir uma “conversinha”, um “pedido”, um favor.

O que, no estado atual da Justiça brasileira é “prova”, já que basta a convicção de que o desejado é verdade.

E aí, é amarrar a tornozeleira no pé e ir usufruir o que sobrou, que não é pouco, com certeza.

Mas a delação tem de ser “no capricho”, não vale falar de tucano.

Alguém acredita que Marcelo Odebrecht teve a sua aceita sem falar o que queriam ouvir?