Ex-min da prev Carlos Gabas no Acre: não é verdade que sistema é inviável

Carlos Gabas – ex-ministro da Previdência Social, nos governos Lula e Dilma, em palestra em Rio Branco, no auditório da secretaria de educação, nesta noite…

Algumas frases de Carlos Gabas:

-Não é verdadeiro o argumento de que previdência social está quebrada ou é inviável.

-Está falando aqui uma pessoa que se dedicou ao estudo 31 anos de carreira (sou servidor de carreira), tenho pós-graduação em sistema de gestão previdência social.

-Eles chamam de gastos sociais e nós devemos chamar de rede de proteção social. 

-Esse governo não está preocupado com a sustentabilidade da previdência…Se tivesse preocupado não abriria para a entrada da iniciativa privada.

-Isso (a entrada da iniciativa privada) é a verdadeira falência da previdência social.

-Basta procurar os cidadãos e cidadãs que compraram os planos de previdência do Banco Santos.

-Vão ter que recorrer a Jesus Cristo.

-Posso garantir a vocês que o nosso sistema é o que oferece a melhor rede de proteção do mundo.

-Claro que temos desafios a serem enfrentados.

-São desafios sobre a discussão do fortalecimento do modelo e não do desmonte dele.

-Não o desmonte de uma rede de proteção que nos custou caro.

-Que nós levamos décadas de lutas para construir esse sistema.

-Por quê eu digo isso?

-Porque o déficit não vem do descontrole das despesas…

-É verdade que nós temos um déficit…(na previdência, sim)

-Só que você tem que entender a previdência como parte de um sistema no conceito de Seguridade Social (que é previdência, assistência e saúde) e nós não temos esse déficit no sistema que eles dizem que tem.

-Ah, mas não temos problemas?

-Sim, temos…mas a estimativa de filhos por mulher em 2020 era de dois filhos por mulher…em 2012 chegamos em 1,7…a sociedade evoluiu…tem planejamento familiar…

-Isso nos impõe um desafio porque no futuro teremos menos jovens e mais idosos e aqui entra um outro componente, que é a de que as pessoas possam viver mais.

-Temos uma diferença de vida e de sobrevida: o primeiro se mede quando o cidadão nasce… a de sobrevida se mede a partir de uma certa idade (aos 60, aos 70, 80…)…ou seja, você mede essa expectativa depois que o cidadão já é um sobrevivente.

-Com a expectativa de sobrevida aos 60, com os recursos que temos hoje, é de 84,7 anos.

-E quero dizer que essa expectativa vai aumentar.

-Eu falo para minhas filhas que têm 20 e poucos anos…esqueçam essa história de ter uma universidade…vocês podem ter outras carreiras….porque vocês vão viver mais de 100 anos.

-Não pensa em aposentar aos 50 como o meu pai pensava.

-Você não pode morrer trabalhando como quer o governo com a sua proposta, mas a gente tem que pensar num tempo de vida maior.

-Então o desafio da previdência está relacionado com a expectativa da sobrevida e desde a administração do presidente Lula nós tínhamos essa preocupação.

-Você não pode fazer uma reforma que saia da cabeça de meia-dúzia de iluminados.

-Não pode haver nem emendas nessa proposta do governo para a reforma da previdência…essa proposta não pode nem ser aceita e sequer em entrar em pauta no Congresso.

-Essa proposta é diferente da PEC 55, que a população nem entendeu.

-Tem que mobilizar as bancadas de deputados federais.

-A pior reforma da previdência é aquela que atinge você.

-Juntos precisamos impedir que o governo acabe com a rede de proteção social que construímos a partir da Constituição de 88.

 

editado por J R Braña B.