Haddad: ‘No Brasil se admite que o indivíduo ascenda, mas sozinho’

# haddad pt

Via DCM

Na entrevista de Fernando Haddad com a jornalista Mônica Bergamo na Folha de S.Paulo.

O partido perdeu votos na periferia e em redutos em que sempre vencia. Vamos ser claros: eu ganhei entre os negros, as mulheres e os muito pobres. Depois de tudo o que aconteceu, quase tivemos a quinta vitória consecutiva. Com Lula, venceríamos.

Mas teve o desgaste do PT. Desde as jornadas de 2013 [quando houve uma onda de protestos] até 2018, o antipetismo, que sempre existiu, cresceu.

E há estudos mostrando que, se eu tivesse no mundo evangélico o mesmo percentual de votos que tive no mundo não evangélico, eu teria ganho a eleição.

A pauta regressiva afeta esse mundo de forma importante. Há um fenômeno evangélico sobre o qual temos que nos debruçar. Não podemos dar de barato que essas pessoas estão perdidas. “A Ética Protestante e o Espírito Capitalista” é um clássico do Max Weber. A gente deveria pensar na “Ética Neopentecostal e o Espírito do Neoliberalismo.”

O Brasil, estruturalmente, é um híbrido entre casta com meritocracia. Se admite que o indivíduo ascenda. Mas sozinho. Desde que a distância entre as classes permaneça. O neopentecostalismo e a teologia da prosperidade são compatíveis com isso.

Assim como no final da ditadura foi possível abrir um canal de diálogo com a Igreja Católica, a esquerda tem agora o desafio de abrir um canal com a igreja evangélica, respeitando suas crenças.

haddad
Fernando Haddad, do Instagram

Em tempo: Estrutura híbrida entre casta com meritocracia: entender isso (admissão de apenas ascensão individual) é fundamental neste momento atual do Brasil – J R Braña B.


Ajude a manter oestadoacreclique aqui