Artigo: A insegurança pública e a violência vivida no Acre

artigo #

oestadoacre publica opinião de Kairo Araújo, estudante universitário, sobre a violência no Acre.

arte
Lembrança de pai e mãe, obra da Helder Oliveira

Por Kairo Ferreira de Araújo

A insegurança pública e a violência vivida no Acre

 

A sociedade vive atualmente aterrorizada pela violência que impera no estado do Acre, praticamente ninguém anda tranquilo pelas ruas das cidades acreanas, o temor de ser assaltado ou até mesmo perder a vida é a tônica da vez, nossas autoridades “competentes” não estão conseguindo ter êxito no combate ao crime, e isso fica claro até ao mais fervoroso partidário da atual gestão.

Seria extremamente leviano colocar a culpa da insegurança pública somente na atual gestão, como sabemos, a insegurança e a criminalidade é um problema enfrentado em todo o Brasil, havendo algumas pouquíssimas cidades brasileiras que se sobrepõe a esse mal, no caso acreano em especial, temos o agravante de termos fronteiras que se encontram praticamente desprotegidas e com países que tem uma grande produção de narcóticos. A vinda do crime organizado ao estado foi nesse bojo, que tem nessa fragilidade de fiscalização e na miséria econômica, uma grande oportunidade para suas atividades ilícitas, como trafico de drogas, armas e roubos dos mais variados.

É claro que a pobreza em si não justifica a entrada no crime, mas sem duvida facilita e muito o trabalho das organizações criminosas, pois é muito mais fácil seduzir um jovem em uma periferia sem perspectivas de estudo e crescimento laboral, do que aquele que está em boas escolas, e com ótimas perspectivas sociais e econômicas.

Talvez por esse motivo (econômico) não se encontre a criminalidade difundida em países ricos, pois neles há abundância de trabalho, boa educação, infraestrutura, saúde e demais necessidades humanas básicas supridas. Se não é esse um dos motivos, podemos voltar a pseudoteorias racistas do século XIX, que ficaram conhecidas como Darwinismo social (apesar do nome, Charles Darwin não a projetou), que pregava que havia seres humanos inatamente superiores, nela os Europeus eram a virtude personalizada pela “natureza”, as demais “raças” e civilizações eram inferiores pelo o simples motivo de não serem brancas caucasianas, pseudoteoria que hoje nenhum cientista assina em baixo e que no teste do tempo, já se provou ser absolutamente falsa.

Achar que a compra de mais armamentos solucionará os problemas enfrentados pela segurança publica é um erro crasso, assim como uma possível intervenção federal certamente falharia, historicamente as intervenções veem falhando no combate ao crime, vide o caso do estado do Rio de Janeiro, que teve inúmeras intervenções e nunca houve uma solução para a questão, e mesmo o Acre sendo um estado com uma população muito menor que a do Rio, sem solucionar a falta de perspectiva econômica do estado, a questão da fiscalização das fronteiras, a educação precária e o sistema penitenciário que mais recruta indivíduos para criminalidade do que os reeduca para o convívio em sociedade, será apenas mais um enxugar gelo.

(byMariaLúcia)