Lula Mais Do Que Nunca

oestadaocre repercute o Caf, de PHA

foto: TT da dep @gleisi

As prisões de assessores do núcleo duro do fantoche golpista michel temer ensejaram manifestações de júbilo de muita gente na oposição. Já há quem faça prognósticos sobre quanto tempo temer ainda ficará confinado no Jaburu. “Agora vai”, comemoram os mais apressados.

Por mais que o cenário político incandescente convide a tais arroubos, um pouco de reflexão é benvinda. Até o madeirame corroído pela maresia do cais do porto de Santos conhece as falcatruas decenais operadas por temer e sua quadrilha, com direito a mulheres enganadas, roubos de documentos, compra de juízes e muito, muito dinheiro rolando mar adentro.

Justiça seja feita, muito do mérito deste trabalho de exumação da maré de roubalheiras deve-se ao trabalho exemplar de André Barrocal, um jornalista digno desse nome e que trabalha na Carta Capital. Barrocal fez o básico. Cavocou a raiz dos fatos, em vez de se acomodar em conchavos com procuradores instrumentalizados. Suas reportagens são irrepreensíveis. Sobretudo acenderam a luz sobre papéis conhecidos há muito tempo, mas mantidos na escuridão pela máfia do grande capital com o conluio de juízes, políticos, bandoleiros e tantos outros que se mantêm no poder e agora o assumiram de vez.

A primeira pergunta é por que só agora as prisões foram decretadas, se o cheiro de estrume exala há décadas. Os argumentos do ministro Luiz Barroso, um notório debutante em questões de direito elementar, saltam aos olhos pela fragilidade. “Provas podem ser destruídas”. Respeite nossa inteligência, meu senhor.

O caso se arrasta há décadas, há anos bate na trave de donos de jornais e editores acovardados, fazendo prever que mais dia, menos dia, subiria à tona. Além de temer, alguns dos nomes mais vistosos do caso, o coronel “Laranja” Lima, é irmão de sangue e caixa de temer desde tempos imemoriais. José Yunes é da mesma cepa. Serviu até como mula para transportar dinheiro de corrupção. Na cara dura. Como diria o gatinho Moreira Franco angorá, especialista em cofres alheios, decididamente aqueles dois integram o grupo não-amador de pistoleiros profissionais espoliadores do país.

Alguém em sã consciência acha que tais delinquentes tarimbados já não tomaram há tempos providências para eliminar pistas cruciais de seus malfeitos? Parece claro que o motivo e sobretudo o timing das prisões está muito mais afeito à decomposição irreversível do judiciário, às revanches fratricidas entre rábulas capturados por interesses particulares e deslumbrados com sua própria insignificância __ muito mais por tudo isso do que por súbita sede de justiça. Certo, sempre há um ou outro rastro a escapar. Mas o essencial, ou boa parte dele, há muito virou pó.

Há um efeito colateral superlativo, porém. Desesperados com a possibilidade real de Lula disputar a eleição –esse será sempre o centro do problema!–, a tal ala penintenciarista (coincidentemente a mais celebrada pela Rede Globo) quer mostrar que “ninguém está acima da lei.” Ora, se correm atrás de temer (ou melhor, por enquanto fingem que vão, com décadas de atraso), por que aliviar com Lula? Por trás dessa aparente simetria, revela-se por inteiro a assimetria inolcutável, de classe social. Sacrificar a esta altura um personagem imprestável como temer, odiado como radiativo, líder mundial em rejeição, derrotado na principal reforma prometida aos seus senhorios –o fim da aposentadoria—é chutar cachorro morto. Mas o embrulho tentaria ser vendido à opinião pública como moeda de troca para guilhotinar Lula em nome da “imparcialidade.”

(….)

Continue aqui a leitura