No tempo áureo da borracha, Sena Madureira foi sede do Departamento do Alto Purus

sena_madureira_foto_gleilson_miranda_01A sede deste município foi estabelecida oficialmente em 25 de setembro de 1904 pelo General Siqueira de Menezes (primeiro prefeito Departamental do Alto Purus), na margem esquerda do rio Iaco, onde se localizava o seringal Santa Fé. No tempo áureo da borracha, Sena Madureira foi sede do Departamento do Alto Purus. Neste período, a cidade recebeu investimentos nacionais e estrangeiros para melhorar sua infra-estrutura e poder receber os coronéis da borracha.



Isso a transformou, por certo período, na cidade mais importante politicamente do Estado. O nome da localidade é uma homenagem ao coronel do exército brasileiro que participou da Guerra do Paraguai: Antônio Sena Madureira.

Atualmente, o município é o terceiro mais populoso do Estado e o segundo em extensão territorial. Ele representa o pólo econômico da regional Alto Purus e possui um contato muito forte com a capital, Rio Branco. A rodovia BR 364 que liga os dois municípios é pavimentada, o que facilita o transporte de visitantes e mercadorias.

Sena Madureira limita-se ao norte com o estado do Amazonas; ao sul, com o município de Assis Brasil; a leste, com os municípios de Bujari, Rio Branco, Xapuri e Brasiléia; a oeste com o município de Manuel Urbano e a sudoeste, com a República do Peru.

Terras Indígenas

As três terras localizadas neste município, Mamoadate (parte), Jaminawa do Rio Caeté e Jaminawa do Rio Guajará, abrigam 192 habitantes em 7 aldeias.

O acesso à Terra Indígena Mamoadate e da Terra dos Jaminawa do rio Caeté é feito pelo rio Iaco a partir da cidade de Sena Madureira em direção à montante. A Terra Indígena Jaminawa do Guajará é uma área que está em fase de identificação.

Projetos de Assentamento

O município de Sena Madureira conta com cinco projetos de assentamento: Favo de Mel, Oriente, João Batista, Uirapuru e Joaquim de Matos, um Projeto de assentamento Rápido Mário Lobão, um Projeto de Assentamento Dirigido Boa Esperança, um Projeto de Assentamento Extrativista Riozinho, um Projeto Estadual Pólo agroflorestal Elias Moreira, dois Projetos de Assentamento Florestal Providência Capital e Valência, e a Reserva Extrativista Cazumbá/Iracema.

Unidades de Conservação

A Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema foi criada em 2002, com mais de 752 mil hectares. Ela nasceu da luta de seus moradores pela regularização da situação fundiária. Parte de sua área se sobrepôs ao antigo PAD Boa Esperança, um assentamento onde houve muitos problemas. Depois de estabelecida a reserva, ainda foi criada uma Terra Indígena em seu interior. Na reserva é desenvolvido o manejo de fauna silvestre com capivara, queixada e jabuti, criados em regime semi-extensivo. Hoje, vivem aproximadamente 230 famílias na área, que é acessível por via fluvial e durante alguns meses por ramal a partir de Sena Madureira.

A Floresta Nacional do Macauã com mais de 173 mil hectares foi estabelecida em 1988 na região do rio Macauã com o objetivo de se desenvolver o manejo e o uso sustentável dos recursos naturais, o ecoturismo e a pesquisa florestal aplicada, para apoiar o desenvolvimento comunitário nas atividades extrativistas. Há também uma área destinada para a produção de madeira industrial com 32 mil hectares. A unidade é acessível a partir de Sena Madureira por um ramal de 152 km de extensão, com trafegabilidade limitada aos períodos secos do ano. Por via fluvial também se chega à unidade pelos rios Iaco e Macauã.

A Floresta Nacional do São Francisco foi criada em 2001, ao lado da Floresta Nacional do Macauã. Ela existe em função da necessidade do INCRA, de compensar áreas desmatadas além do limite permitido no Assentamento Zaqueu Machado em Capixaba.

Através de convênio, o INCRA repassou a área de mais de 21 mil hectares da Floresta Nacional do São Francisco para o IBAMA. Isto resolveu a situação dos assentados que estavam impedidos de receberem financiamento dos bancos oficiais para a produção.

A Floresta Estadual do Antimary está parcialmente localizada no município. Criada, em 1997 com mais de 66 mil hectares, ela abriga cerca de 80 famílias de seringueiros. Na unidade são desenvolvidas diversas pesquisas com o objetivo de aprimorar a exploração dos produtos da floresta, sem que esta seja destruída.

A Fundação de Tecnologia do Estado do Acre (FUNTAC) administra a área. Para as atividades de pesquisa a instituição mantém lá instalações de apoio.

O Parque Estadual Chandless ocupa uma pequena parte do município. Sua área maior está no município de Santa Rosa do Purus.

Localização

Distância da capital por rodovia – 145 km

Distância da capital em linha reta – 136 km

Aspectos Geográficos

Área – 23.732 km²

População – 34.230 hab

Densidade demográfica – 1,44 hab/km²

Áreas especiais

Unidade de Conservação

Floresta Nacional do Macauã

Floresta Nacional do São Francisco

Reserva Extrativista Cazumbá-Iracema

Floresta Estadual do Antimary (parte)

Parque Estadual Chandless (parte)

Reserva Extrativista Chico Mendes (parte)

Projeto de Assentamento

PA Favo de Mel

PA Joaquim de Matos

PA João Batista

PA Oriente (Parte)

PA Uirapuru (parte)

PAD Boa Esperança

PAE Riozinho

PAF Providência Capital

PAF Valência

PAR Mário Lobão

PE Pólo Agroflorestal Elias Moreira

Terra Indígena

Jaminawa do Guajará

Jaminawa do Rio Caeté

Mamoadate (parte)

Fonte: Atlas do Estado do Acre