Ao derrotado, o trono da mídia (por Fernando Brito)

Igualzinho como escreveu Fernando Brito.

Já aconteceu.

<<<<<>>>>>>

Hoje, você vai assistir uma espetáculo “surreal”, como diz a garotada.

É a reentrada do senador Aécio Neves no Senado.

Será tratada pela mídia como a chegada do vencedor ao qual faltou apenas um pequeno detalhe: a vitória.

Aliás, o que carrega, mesmo, é a marca da derrota, porque não apenas perdeu a eleição atirando fora o favoritismo que o clima imposto pela mídia construiu, ao leva-lo de forma arrebatadora ao segundo turno, mas porque perdeu no Estado em que suas qualidades e capacidades eram mais conhecidas: Minas Gerais.

Veremos o paroxismo: a casa onde o Governo tem mais ampla maioria, o Senado,a festejar o regresso de alguém que, em lugar da humildade diante da manifestação do povo brasileiro, retornará com um ar arrogante e poderoso, de quem se pretende líder de uma possível insurreição congressual contra a vontade das urnas.

Vai fazer um discurso de “reizinho”, dizendo o que compete à oposição e ao governo fazer.

Pretensão, porque, discretamente, Geraldo Alckmin começa a sinalizar que disputará a condução do PSDB para um caminho de maior moderação, não só porque a falta d´água já lhe atinge o pescoço, como porque sabe que este tipo de histeria, hipertrofiado pela eleição e pelo furor midiático, costuma reluir ao primeiro sinal de bonança na economia.

O que você verá hoje na mídia será o retrato cru de sua natureza: a festa para quem foi derrotado pelo voto do povo e a guerra, impiedosa, contra aquela que recebeu, por maioria (difícil entender isso, não é?), a sua confiança para governar.

É a nossa imprensa “livre” e “democrática”.

E nós, os “sujos” que não recebem dinheiro, os “autoritários” que arriscamos a juventude pela democracia, é que defendemos a “dominação” da mídia…

Não precisa, não é?

Como diz também a garotada, “tá dominado, tá tudo dominado”.