Polêmica: deputado comunista critica ENEM por tratamento a adventistas do 7º Dia

moises-diniz

Moisés Diniz, dep federal PCdoB:

É DESUMANA E IMORAL A FORMA QUE O ENEM
TRATA OS ESTUDANTES ADVENTISTAS DO 7º DIA

Os cerca de 80 mil estudantes adventistas, que fizeram o Enem ontem, tiveram que entrar na sala até as 13 horas no Brasil e até as 10 horas no Acre. Fiéis a sua tradição religiosa, precisaram aguardar que o relógio fosse até as 18 horas, para que eles pudessem iniciar a sua prova.

Aqui no Acre é muito mais grave (junto com as regiões que têm fuso diferente de Brasília). Os estudantes adventistas entraram as 10 horas, aguardaram até as 18 horas, e então tiveram mais 4 horas para fazer a sua prova. Foram cerca de 12 horas dentro de uma sala.

Não é decente deixar esses jovens oito horas confinados numa sala, antes da prova, sem acesso a telefone, sem poder sair para se alimentar de forma saudável, sem condições de repousar.

Quando vão fazer a prova, após as 18 horas, eles estão fisicamente exaustos e psicologicamente exauridos. Considero que eles podem estar concorrendo de forma desigual, devido essas condições, o que fere a Constituição.

– Vamos apresentar uma proposta de legislação que proteja a escolha religiosa desses jovens adventistas e livre-os dessa situação injusta.