Depois do MCMV, Caixa corta financiamento para classe média

A Caixa é o governo ilegítimo, não esqueça – J R Braña B.

Fernando Brito, Tijolaço:

Depois de cortar o investimento na faixa do Minha Casa, Minha Vida destinada aos setores mais pobres da população – a chamada “Faixa 1”, para famílias com renda mensal de até R$ 1,8 mil, onde só foram contratadas unidades equivalentes a  1,1% da meta de 170 mil contratações no ano – o Governo Temer cortou boa parte do financiamento imobiliário também para a classe média.

Na Folha, com informações da Reuters, vem a informação de que o governo cortou os financiamentos  imobiliários com recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço, a linha pró-cotista, a linha de crédito com menores taxas depois do “Minha Casa”.

Por que? Falta de recursos no FGTS para conceder empréstimos:

“Os recursos disponíveis da modalidade atualmente são suficientes apenas para atender as propostas de financiamento já recebidas pelo banco”, afirmou o banco em nota.

A Caixa nega o que todo mundo sabe: com a liberação indiscriminada do FGTS, as reservas do Fundo para financiar imóveis despareceram.

É por isso que sumiram os lançamentos de imóveis que não sejam de alto padrão, como se mostrou aqui há dias.

Em consequência, piora ainda mais a situação do mercado de trabalho da construção civil.

Ficamos assim: o sujeito tira R$ 500 do FGTS, entrega para o agiota da financeira onde pegou um empréstimo para comprar algo e o FGTS não financia a obra onde ele iria trabalhar ganhando o triplo.

E a classe média, que bateu panelas contra esta história de casa para os pobres, que vá ao Itaú, pagar 12 ou 13% de juros, em lugar dos 8% ao ano que a Caixa cobrava nesta linha.

Genial!