Órgãos de doador morto em acidente beneficiam quatro pessoas

A Central de Transplantes do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco recebeu, na noite desta terça-feira, 12, mais uma doação de órgãos. A captação foi feita pelos integrantes da Organização de Procura de Órgãos (OPO) no Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (HUERB).

O doador, de 42 anos, morreu em um acidente automobilístico, com evolução de morte encefálica – perda irreversível das funções cerebrais. A família se prontificou a doar os órgãos. Foram captados as duas córneas e os dois rins.

Os rins estão sendo remetidos ao Pará, por não serem compatíveis com os pacientes da lista de espera do Acre. Já as córneas serão aproveitadas aqui no estado.

“Quatro pessoas serão beneficiadas com uma única doação. Nós estamos muito agradecidos à família do doador”, disse a coordenadora da Central de Transplantes, Regiane Ferrari.

A coordenadora anuncia, ainda, que o Acre está em 2º lugar no ranking nacional de notificações, a cada milhão de habitantes. “Esta é a nossa sétima doação efetiva deste ano. Em relação ao ano passado, dobramos a quantidade de captações. É significativo o avanço que o Estado tem feito quanto à doação de órgãos”, relatou.

O Ministério da Saúde (MS) reconhece o potencial de doadores que o Estado do Acre possui, com seus investimentos em capacitação dos profissionais da área. Na primeira semana de dezembro, 13 integrantes da OPO de Rio Branco, entre médicos e enfermeiros, irão assistir a um curso sobre “manutenção de potencias doadores”, ministrado no Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo.

Segundo Regiane, a equipe está se apropriando de mais uma conquista: o transplante de fígado, que passará a ser realizado no Estado. Com isso, o Acre será o segundo estado da Região Norte a oferecer esse serviço de saúde.

“O fato é muito gratificante para todos nós, pois seremos referência em toda região, sem contar que possibilitaremos mais qualidade de vida aos acreanos. Mas para isso é imprescindível a conscientização das pessoas para a doação de órgãos”, avalia a coordenadora.