A autodestruição de Marina (texto do jornalista Paulo Nogueira, de Londres)

O fundador e criador do sítio de notícias DCM (Diário do Centro do Mundo), baseado em Londres (Inglaterra), jornalista Paulo Nogueira, publica texto onde analisa os últimos movimentos da ex-senadora e ex-ministra Marina Silva. Para Paulo Nogueira, ao associar-se com as figuras de Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, ministros do STF, a acreana comete um erro político fundamental para suas pretensões a presidenta da república. Leia abaixo:

marinacapaAo associar seu nome ao de figuras como Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa, ela dá adeus ao eleitorado progressista que poderia ver nela uma opção em 2014. Marina está abatendo a si própria antes de sequer levantar vôo.

Dois passos recentes foram particularmente desastrosos para quem tem, ou tinha, a ambição de fisgar um eleitorado de esquerda e centro-esquerda insatisfeito com o PT.

O primeiro foi um vídeo, divulgado ontem, no qual ela associa seu nome ao de Gilmar Mendes, uma das figuras mais rejeitadas do país.

No vídeo, ela agradece a Gilmar por ter evitado dificuldades para a criação da Rede, o partido com o qual ela pretende disputar a presidência em 2014 – desde que sejam alcançadas as 555 000 assinaturas requeridas.

Bater palmas para Gilmar, amplamente detestado pelo eleitorado progressista, é um erro colossal.  Associar-se a ele é o equivalente, em termos eleitorais, a associar-se a José Serra.

O segundo passo foi tão autodestrutivo quanto o primeiro. Marina marcou um encontro com Joaquim Barbosa, também ele um anátema para os progressistas.

Marina não ganha nada com o encontro: Barbosa jamais apoiaria um projeto que pudesse remotamente favorecer o partido que ele tratou com rigor avassalador  – e cheio de buracos, pelo que os fatos vão mostrando — no julgamento do mensalão.

Se não lucra nada, Marina perde muito ao vincular sua imagem à de JB, outro personagem que causa repulsa ao eleitores progressistas.

Parece aquela propaganda da Gilette, em que a barba desaparecia com uma dupla lâmina, em que a primeira fazia tchan e a segunda tchantchantchantchan.

As aspirações presidenciais de Marina podem ter se encerrado aí. Gilmar faz o tchan e JB o tchantchantchantchan – e adeus votos.

[publicado no sítio Diário do Centro do Mundo]