Preço do bilhete aéreo para o Acre é o mais caro do mundo (e nem tem 1ª classe)

Deputado Leo:

A solução é o fortalecimento do transporte regional, com empresas médias da região fazendo voos via RO, MT e DF.

É o único jeito.

Subsidiado pelo estado brasileiro.

Esse é o caminho…

Afinal de contas vivemos na Amazônia.

Uma região mais do que especial.

Especialíssima!

J R Braña B. – 

 

GabPal

Leo de Brito quer solução para preços abusivos de passagens aéreas para o Acre

leo tribuna
Em seu discurso na Câmara dos deputados, nesta quinta-feira (17), o deputado federal Leo de Brito reclamou das tarifas de passagens com destino ao Acre, ou para quem deseja sair do estado, cobradas pelas companhias aéreas. Ele afirmou que vai solicitar dos órgãos fiscalizadores mais rigor junto às empresas em relação aos preços abusivos.

“Tradicionalmente, as passagens aéreas para o Acre sempre foram muito caras, o que sempre dificultou muito os deslocamentos das pessoas que lá residem. Mas ultimamente as tarifas vem aumentando de forma exponencial, chegando a comprometer o direito constitucional de ir e vir do cidadão acreano”, disse.

De acordo com levantamento apresentado pelo deputado, em 2013, o custo médio do trecho Rio Branco/Brasília custava R$ 513,00. Em 2014, este valou subiu para R$ 1.310,00. E finalmente, neste ano, a média já ultrapassa R$ 1.600,00. Trata-se de um aumento de 328% no valor da tarifa. “Um verdadeiro absurdo quando se trata de companhias que receberam concessão do governo para realização de um serviço essencial para a população amazônica”, afirmou.

Ainda segundo Leo, o aumento dos preços fica mais evidente quando as tarifas para o Acre são comparadas aos outros destinos nacionais. Enquanto um bilhete da Azul no mês de julho, no trecho ida e volta Rio Branco/ Brasília custa R$ 4.260,00, a tarifa Fortaleza/Brasília na mesma
companhia sai a R$ 1.800,00. Mais que o dobro do valor.

“Aqui na Câmara solicitarei aos órgãos competentes maior rigor na fiscalização junto às companhias aéreas, para que o direito dos cidadãos acreanos de ir e vir não fique prejudicado”, finalizou.