Alagada 12 vezes, Tarauacá terá crédito do BNDES

Gab JV
Mariama Morena

Tarauacá passa a integrar Programa do BNDES para linha de financiamento

A partir de agora, empresas, cooperativas, empresas individuais de responsabilidade limitada, empresários individuais e produtores rurais do município de Tarauacá podem acessar a linha de crédito especial do Banco Nacional de Desenvolvimento Social e Econômico (BNDES). É que a cidade foi incluída no Programa Emergencial de Reconstrução de Municípios Afetados por Desastres Naturais – BNDES PER. A inclusão foi uma solicitação do prefeito Rodrigo Damasceno que teve o apoio e articulação do senador Jorge Viana.

Para acessar a linha de crédito, os interessados têm que comprovar uma Receita Operacional Bruta (da empresa ou de seu grupo econômico) ou Renda Anual de até R$ 90 milhões. O programa, criado com objetivo de apoiar a retomada da atividade econômica em municípios afetados por desastres naturais, tem taxas de juros baixas e bem menores do que as praticadas no mercado.

A cidade de Tarauacá enfrentou 12 episódios de alagações no período de novembro do ano passado a março deste ano. O decreto de calamidade foi publicado no mês de dezembro. Por isso, quando a linha de crédito do BNDES foi lançada, no mês de maio, o prazo do decreto já havia esgotado e a cidade ficou de fora do programa, enquanto municípios como Rio Branco, Xapuri e Brasiléia foram incluídos.

“Com o apoio do senador Jorge Viana, pedimos ao Ministério da Integração que fizessem um documento atestando que tivemos muitos outros casos de desastre, foi uma situação que se prolongou. Com o documento, o BNDES teve a sensibilidade de reconhecer a situação e foi aprovada a linha de crédito para o município”, conta o prefeito Rodrigo Damasceno.

Segundo ele, os empresários e comerciantes ficaram animados com a notícia. “Ontem falei com alguns empresários. Fizemos uma reunião com a Associação Comercial e todos pediam por isso. Muitos perderam mercadoria ou tiveram danos em seus imóveis e não tinham acesso a uma linha de crédito especial. Com esse programa, a média de juros anual fica em 6%, super diferenciada, em condições para que possam recuperar seus estoques, seus prédios. Isso vai garantir dinheiro circulando nos municípios e o incentivo da atividade comercial”, disse Damasceno.

jv e tk