Ponte do Madeira (Dilma precisa mostrar sua grande obra no AC/RO em fase adiantada)

 

A presidenta Dilma veio ao Acre e disse:

‘Nós vamos fazer a Ponte do Madeira’.

E está sendo feita.

Porém, ninguém sabe dessa obra.

Nem a Amazônia nem o Brasil sabe que uma ponte está sendo erguida sobre o Rio Madeira/Abunã, entre Rondônia e o Acre.

É possível que a ponte mais importante da região Norte fique pronta e ninguém lembre que foi Dilma Rousseff que assinou a ordem para construí-la.

O governo Dilma e os governos do Acre e Rondônia precisam mostrar, divulgar essa grande obra de integração do Brasil e de integração com o Pacífico.

Porque o que sai na velha mídia é só a pauta do Golpe.

Que cada dia parece mais próximo do desfecho trágico para a Democracia.

J R Braña B.

ponte madeira
AgGov
Samuel Bryan

 

O longo caminho percorrido até o sonho da ponte sobre o Rio Madeira

ponte do madeira 3

(…)

Foi necessário um trauma ambiental de proporções históricas para que finalmente o governo federal atendesse os anseios do povo do Acre levados pelo governador Tião Viana.

A cheia do Rio Madeira, no começo de 2014, inundou a BR-364 e tornou sua travessia quase impossível, isolando o estado. A presidente Dilma Rousseff veio prestar solidariedade ao Acre, e na presença do governador anunciou:

“Nós viemos aqui com um objetivo: como garantir que o Acre não fique isolado? Porque o isolamento é algo que não podemos mais admitir no Brasil. Aqui eu cumprimento o governador Tião Viana e o prefeito Marcus Alexandre pela qualidade do atendimento às pessoas do Acre. E vamos fazer a ponte do Rio Madeira”, disse, em sua primeira visita ao estado.

Segundo informações do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), órgão responsável pela condução e fiscalização dos serviços, orçados em R$ 128 milhões, as obras avançam em ritmo intenso e sem paralisações.

Toda a parte física de fundação e blocos já foi executada. O contrato prevê que as obras sejam concluídas em dois anos, caso não ocorram imprevistos de natureza climática nesse período. Há um percentual físico e financeiro que aponta a conclusão de 34% das obras até o momento.

(…)