Dilma: Governo ilegítimo vai alardear ‘rombo’ para justificar cortes nos direitos sociais

Também o Brito, do Tijolaço, já matou a charada ao dizer que a CNI (patrões) faz ‘pesquisa’ onde aparece trabalhador apoiando medidas de cortes sociais dele mesmo.

Claro, tudo divulgado pela globo para enganar os tolos.

J R Braña B.

dilma nyt BRAZIL-IMPEACHMENT-listy-jumbo

 

Do Tijolaço, do Fernando Brito:


A advertência de Dilma: superestimar “rombo” público é justificar os cortes sociais e trabalhistas

Um ponto chamou-me a atenção no discurso de Dilma no encontro de blog, agora há pouco em Belo Horizonte – daqui a pouco, o Jari da Rocha, que já está por lá conta um pouco do ambiente da multidão que se aglomerava do lado de fora do evento, vinda da manifestação contra o golpe que acompanhou a presidenta afastada.

Foi o momento em que ela falou que se está superestimando o rombo nas contas públicas para justificar os cortes nas ações de governo.

É a famosa história do “bode na sala”. Põe-se o bicho lá, com seu fedor, e quando se o retira o ambiente parece se perfumar.

O Brasil não vive uma explosão de gastos públicos. Qualquer um que trabalhe ou conviva com o funcionamento de instituições públicas sabe que, faz tempo, os gastos estão cortados, muitas vezes além até do mínimo necessário para seu funcionamento adequado.

O orçamento da União, de 2015 para 2016 sofreu cortes profundos.

Exemplos:

O orçamento de pessoal e encargos passou de R$ 256,4 bilhões para R 269 bilhões. O “aumento”, na verdade, é uma redução, porque, além da desvalorização inflacionária, incorpora uma série de reajustes obrigatórios, como os adicionais por tempo de serviço, que não são despesas voluntárias.

Já o pagamento de juros e encargos da dívida pública, que era, em 2015, de R$ 208, 3 bilhões, passa,  este ano, na lei orçamentária, para R$ 304,1 bilhões. Um aumento nominal de quase 50%, ou algo em torno de 40% em valores reais.

O mesmo pode ser dito sobre  a amortização  da dívida – que vira “rolagem, com a emissão de novos títulos. Em 2015, R$ 753, 8 bilhões. No ano seguinte, R$ 1.044,8 bilhões, ou um aumento que chega perto dos 40% nominais  em torno dos 30% em valor real.

Como se vê, descontrole nos gastos públicos, se os há, é no pagamento de juros da nossa dívida, não nas despesas com funcionários e muito menos em custeio – as demais despesas administrativas –  e ainda menos com os investimentos, que se mantiveram em R$ 37,5 bilhões de um ano para outro, o que, frente à inflação, significa uma redução em valores reais.

Onde está o “super-rombo”, então?

Na receita pública, provocada pela recessão econômica e, por isso, na arrecadação de impostos.

O que, afinal, se resolveria de duas únicas maneiras: ou o aumento abrupto da atividade econômica ou ou aumento dos impostos.

Como não se enxerga no programa das novas autoridades econômicas um aumento da produção e menos ainda do consumo, seja pela via da ampliação da renda ou do crédito, resta o aumento dos impostos.

A crise é o “bode” e o aumento de impostos o que o bode faz tornar aceitável.

O “pato” da Fiesp será devidamente pago.

E os valores do seu pagamento, claro, serão transferidos à população, pelo corte de serviços públicos e de direitos sociais.

Simples assim.