Angélica Paiva: Mudança na comunicação do governo

#colunadaangelica

coluna da angelica

– Competência

Inquestionável a competência com que a jornalista Silvânia Pinheiro conduziu a Secretaria de Comunicação do governo nesses mais de dois anos. Na minha avaliação foi a única Secretaria de Estado que funcionou com eficiência nesse governo. Foi o trabalho da Comunicação que impediu que o rei se mostrasse nu. Silvânia Pinheiro criou uma sombra positiva para um governo onde a luz mostra o nada. Sem demérito para o sucessor, ouso dizer que dificilmente alguém conseguirá substituí-la. Até porque a argila é a mesma, o que muda é a forma que será dada e Silvânia mostrou que é uma excelente ceramista. Silvania fez limonada. Rutemberg ficou com  o limão. Aguardemos.

– Fernanda

A possibilidade de Fernanda Hassem (PT), aceitar trocar de partido para ser vice de Gladson Cameli, só vai beneficiar a candidatura de Israel Milani (Solidariedade) à Câmara dos Deputados. Primeiro porque como ecoa a voz rouca das ruas, o que o governador diz, não se escreve e segundo porque ela tende a abrir mão de uma promissora carreira política. A possibilidade está mexendo com as lideranças petistas que embora não assumam a saída dela do partido, foram à Brasileia esclarecer a situação. Fernandinha está balançada, e cabeças do PT precisarão convencê-la que em política a razão deve predominar sobre a emoção. Gladson já acenou com a indicação de vice também para o Secretário de Saúde Allison Bestene (PP). Daqui até julho de 2022 muita água vai rolar e quem sabe quantos nomes aparecerão para vice de Gladson? Nos bastidores tem quem duvide que ele vá para a reeleição. O tio dele, Orleir Cameli, não encarou a reeleição.

– Mudanças

Aliás, chama a atenção essas mudanças no primeiro escalão do governo, justamente quando começam a surgir indícios de irregularidades no governo. O jornalista Williandro Derze, disse em seu site Quinari Notícias, que o motivo da saída de Silvânia Pinheiro da Comunicação, poderia ser o receio das investigações. A saída de Allison Bestene da Saúde também é apontada como um meio de manter a ficha limpa para poder ser vice na chapa Gladson Governador, embora seja estranho o secretariado ser atingido e o chefe deles não. A constatação ocorre enquanto o Secretário de Educação e os demais apontados como envolvidos em esquemas dentro da Secretaria de Educação não foram exonerados.

– Acomodação

Pelo menos três tios do governador Gladson Cameli, estão acomodados no governo. Todos pela linha materna. Anderson Lima, irmão da mãe de Gladson, na Seict; Ana Paula Lima, Secretária de Assistência Social, é casada com outro irmão da mãe do governador, e o esposo dela também estaria numa secretaria. É louvável ajudar a família, mas as suas próprias custas e não do erário público. Exercer a cidadania é estar atento para evitar que governantes cedam à tentação de misturar o público com o privado. O que Gladson faz na vida privada não é da conta de ninguém, mas as atitudes do governador são da conta de todos. O povo elege administradores e não imperadores. O governo não gera dinheiro, administra a verba que vem dos impostos de todos e portanto tem que ser devolvido em forma de benefícios para todos.

– Nepotismo

O termo tem origem na Roma dos Césares onde os sobrinhos dos Papas tinham preferência em nomeações para cargos importantes com altos salários. No Brasil, políticos podem ser processados porque o nepotismo fere os princípios da moralidade e o da impessoalidade. A Súmula Vinculante nº 13 do Supremo Tribunal Federal caracteriza como nepotismo a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente em linha reta, colateral ou por afinidade até o terceiro grau. Em livre tradução, para que o nepotismo seja caracterizado basta a existência de vínculo familiar entre o agente público já ocupante de cargo comissionado ou função de confiança e a pessoa nomeada. Como isso não é novidade para ninguém, o correto é esperar uma ação das instituições.

– Tenso

O clima está tenso nos bastidores políticos. A base manobrando para implodir a CPI da Educação e a oposição e os independentes tentando segurar. Na avaliação de alguns, o vulnerável aos apelos governistas não é nem Fagner Calegário (Podemos), nem Neném Almeida (Solidariedade), mas Jonas Lima (PT). O petista seria o verdadeiro calcanhar de Aquiles do grupo. Calegário teria munição para enfrentar o governo. Neném já perdeu tudo. Jonas é o único que tem a perder. O petista é o que mais sofre a pressão de ambos os lados. As próximas horas serão decisivas. Eu, não estranharia se o primeiro efeito da CPI da Educação fosse a saída de Jonas Lima do PT.

– Cheque

Câmara de vereadores de Plácido de Castro dá cheque em branco para o prefeito Camilo Silva (PSD). O requerimento do vereador Marcelo Meireles (PSDB), solicitando informações básicas foi rejeitado po 4 x 3. Marcelo queria cópias dos contratos de licitação para a terceirização dos serviços; cópias dos atos administrativos e decretos, assim como informações sobre a receita para atender as despesas de adesão do contrato; quantidade de trabalhadores e critérios para a contratação. Ou seja, os vereadores locais não se interessam nem saber como serão feitos os contratos. Apenas os três vereadores de oposição votaram a favor da transparência. Em tempo, nos bastidores falam em algo em torno de R$ 10 milhões. Fontes Placidianas afirmam que Marcelo Meireles deve entrar com novo requerimento na próxima sessão. Se não obtiver sucesso, vai acionar o Ministério Público.

-…em branco

As bases de sustentação que apenas cumprem as ordens do Executivo, podem ser comparadas aos pais que satisfazem todos os desejos dos filhos e muitas vezes colaboram para o fracasso dos que pensam estar protegendo. O ex- prefeito de Plácido de Castro, Roney Firmino ficou preso durante quase dois meses no Batalhão Ambiental, acusado de participação em uma organização criminosa que supostamente fraudava licitações no estado. Ele tinha maioria na Câmara de Vereadores.

– Atual

O atual prefeito, Camilo Silva, foi eleito com a força da família Santiago que atua na linha frente e nos bastidores da política do Acre e pelo partido do senador Sérgio Petecão. Em três meses conseguiu levantar mais questionamentos de seus munícipes do que qualquer prefeito anterior. Os vereadores abafam, mas a população comenta e a voz das ruas ecoa longe. Camilo está calçando a sede do município, ponto para ele. Entretanto não há informações sobre a fábrica de blocos instalada numa quadra de esportes em Vila Campinas. Não há placa com nome e o valor do investimento. Vereadores que pedem informações ficam sem resposta. Além disso, calçadas estão sendo destruídas para dar lugar aos blocos coloridos, quando na opinião da população existem outras prioridades, como pontes e ramais. O próprio prefeito estaria sendo vítima desse descaso. Morador de Vila Campinas, ele é obrigado a se deslocar diariamente para a sede da prefeitura em Plácido, desviando por Acrelândia, por causa de ponte caída. Um caminho de 100 km diários com combustível às custas da população.

– Frank e a máscara

Causou furor o fato do Secretário Municipal de Saúde correr no parque sem máscara. Ocorre que ele estava sózinho. Não havia ninguém por perto. A máscara não faria nenhuma diferença naquele contexto. O mais interessante no escândalo é criticarem o Frank Lima por estar sem máscara e defenderem a abertura do comércio e afins. Parece mais crítica pela crítica do que preocupação real.
Existem muito mais coisas a criticar nesse estado e não vejo manifestações.

Bom dia deputado Nicolau Júnior (PP), presidente do Legislativo acreano que em meio às tensões do momento tem motivos para sorrir. Nesse baile vale dançar conforme a música. Só não vale tropeçar né?

(Angélica Paiva)