Partido que Marina quer criar repete mote de 20 anos atrás da Frente Popular do Acre

Partido que Marina quer criar repete mote de 20 anos atrás da Frente Popular do Acre

São Paulo – Os integrantes do Movimento Por Uma Nova Política (no começo da Frente Popular do Acre, um dos motes principais era ‘por uma nova política’) vão, no próximo dia 16, em Brasília, promover encontro para a criação de um partido político radicalmente democrático e que esteja aberto a ampla diversidade da rede de expressões da cidadania na sociedade brasileira.

marinaestaOs interessados em participar das discussões podem se inscrever no site www.redepropartido.com.br até esta sexta-feira, dia 8.

O Movimento Por Uma Nova Política é uma iniciativa suprapartidária que reúne jovens, mulheres, ambientalistas, empresários e lideranças políticas como as ex-senadoras Marina Silva e Heloísa Helena e os parlamentares Walter Feldmann e Ricardo Young.

O encontro em Brasília é resultado dos intensos debates realizados nos últimos dois anos que apontaram ser urgente uma grande mudança na política brasileira, hoje monopolizada por partidos e facções voltados à disputa do poder pelo poder, sem compromisso com um futuro sustentável e incapazes de enfrentar a profunda crise que se abate sobre a civilização e ameaça a continuidade da vida humana no planeta.

Para a organização do evento, foi formada uma Comissão Nacional Rede Pró-Partido, cujos coordenadores são: André Lima (advogado), Bazileu Alves Margarido Neto (economista e ex-presidente do Ibama), Gisela Moreau (historiadora), Maria Alice Setubal (educadora), Marcela Moraes (advogada), Pedro Ivo Batista (ambientalista).

No site www.redepropartido.com.br, os interessados podem obter todas as informações sobre o encontro do próximo dia 16.

Da redação

‘Por uma nova política, com ética e participação’ foi um dos principais motes políticos nas mobilizações de ruas em Rio Branco no começo da Frente Popular. A eleição de Jorge Viana à prefeitura da capital (92) usou a frase. Novamente na campanha para o governo (98) o mote também foi utilizado nos debates locais.