Sindicato da saúde: os avanços na negociação e a suspensão da greve

Do Sintesac:

saude-negociacao

Sintesac avança nas negociações e greve é suspensa temporariamente até o dia 29 de novembro

(…)

O Sindicato dos Trabalhadores em Saúde do Estado do Acre (Sintesac) ainda está em estado de greve e paralisação foi apenas suspensa temporariamente e até o dia 29 de novembro mesmo com avanço nas negociações. Apesar do governo ter referendado as propostas anteriores, existem alguns pontos obscuros e que precisam de mais prazo para serem resolvidos.

(…)

A pauta inicial do sindicato era composta do aumento dos servidores da Secrataria de Estado de Saúde (Sesacre) e da Fundação Hospitalar do Acre (Funhacre), a aposentadoria especial, a questão dos servidores irregulares e o plano de carreira dos trabalhadores do Pro-Saúde.

“Todos nós sobrevivemos com o mesmo salário há sete anos. Será que um pedreiro ou faxineiro recebe a mesma diária há sete anos? Nestes dois dias negociamos exaustivamente, estando todo mundo cansado, mas agora o resultado está firmado em um documento assinado pelo governo”, afirmou Adailton.

(…)

(…) Entendemos o momento financeiro critico que o estado passa. Além disso tem esta onda de violência que atingiu até amigos nossos que tiveram casas atacadas e roubadas”, comentou Adailton.

Adailton explicou os quatro pontos base, sendo que o reajuste foi negociado para o servidores da Sesacre e Fundhacre, cujo conteúdo previamente acordado o governo esqueceu de uma hora para outra.

“Conseguimos o compromisso da criação de uma gratificação que 80% dos servidores não tinham; conseguimos a incorporação da ‘promoção à saúde’ ao piso; obtivemos também um reajuste que vai de 18% para o nível superior e para nível médio e de apoio quase 30%”, informou Adailton.

“Mas agora o governo reassumiu estes compromissos e disse que é problema dele, governo, para encontrar os meios para nos pagar. Está assinado. Foi a nossa luta, na rua, que viabilizou isso. Os trabalhadores foram os vitoriosos”.

Resumo da negociação

  1. Aposentadoria especial e cobertura do plano de carreira para os servidores irregulares: foi constituído um grupo de trabalho entre Estado, PGE e trabalhadores para buscar um meio de resolver a questão dos regulares até o dia 30 de novembro. O grupo de estudo é para incluir os irregulares na sexta parte e licença prêmio. Vai ser preciso achar uma saída até esta data, mas isso não quer dizer que isso exista, mas sim que vai ser buscada.
  2. Projeto de lei para o reajuste: o governo reafirmou o acordado em mesa de negociação para o ano que vem. Será instalada uma mesa de negociação para o caso de haver algum problema legal, o que pode ser feito por meio da criação de um auxílio. Mas de uma forma ou te outra o ganho virá.
  3. Acordo Pro-Saúde: O governo não queria negociar nada com o Pro-Saúde. Como viemos para rua, eles reafirmaram o interesse do governo em negociar. A meta é concluir o acordo coletivo até o final de novembro. Os pontos não econômicos primeiro e depois os econômicos.