Portaria que remove professor gera polêmica (não é só isso!)

portaria see #

Uma portaria de março da Secretaria de Educação (SEE), mas que só agora começa chegar de fato ao conhecimento da maioria dos professores das escolas escolhidas para implantar o Novo Ensino Médio (NEM), já causa polêmica.

A portaria:

portaria
Portaria com os nomes dos responsáveis para seleção, avaliação e remoção de professores divulgada no D.O de 11 de março

Na avaliação dos docentes estaduais, a portaria que pode também remover professores ‘sem perfil para o NEM’ é ilegal e cabível de recurso junto ao MP e à justiça…os decentes argumentam que o professor tem garantido o direito de cátedra (liberdade para lecionar) e a portaria não tem sentido ‘porque a partir do próximo ano’ todas as escolas terão necessariamente de implementar o Novo Ensino Médio. ‘Então fazer remoção de professor por supostamente não ter o perfil do Novo Ensino Médio seria uma atitude descabida’, dizem os docentes.

Sem eleição para Diretores

Informação do Sinteac (Sindicato dos Trabalhadores em Educação) a alguns professores esta semana dando conta de uma sondagem da Secretaria de Educação para que se acabe com as eleições dos diretores das Escolas no Estado vai pôr mais lenha na fogueira.

A sondagem à Rosana Nascimento (presidente do Sinteac) teria partido do próprio secretário da pasta – a proposta/ideia contemplaria uma lista tríplice, que seria apresentada e a secretaria escolheria os novos diretores das Escolas.

(Qualquer semelhança com ideia de Bolsonaro de lista tríplice para escolher os reitores das Universidades Federais não é mera coincidência….dias atrás, o senador MBittar -MDB- disse ter dúvidas se eleições para diretores de escolas é o melhor caminho para as escolas)

O Sinteac teria refutado a ideia de acabar com as eleições para diretores à consulta da Secretaria.

Claro, não precisa nem desenhar: seria um retrocesso democrático inadmissível naquilo que já faz parte da rotina da Educação estadual no Acre, que é a eleição livre dos gestores das escolas.

 

J R Braña B.