Excelência, caridade não resolve (mas reduz a culpa….!)

caridade gov #

natal

O Acre é um dos estados mais desiguais do Brasil (do mundo, também).

Por aqui, 50% da população é pobre-pobre, constata o IBGE.

Quando chega o mês de dezembro e o Natal se aproxima, começam aparecer as figuras públicas e suas caridades…é uma forma de reduzir o sentimento de culpa dos pseudos cristãos.

Sim, porque adoram a caridade, porém, com raras exceções, abominam discutir justiça social…

Nada contra a caridade, a generosidade humana…é simpático, dá ibope etc…mas não resolve na estrutura.

A caridade (especialmente de quem está no poder) só inunda o ego do caridoso….

E como diz um amigo, ‘o mau político pensa que fazendo caridade uma vez ao ano ou duas vezes está ajustando as contas com Deus.’

Diferente da caridade, a justiça social equilibra o jogo na sociedade…

O governador GladsonC é um típico que demonstra gostar de caridade…

Vai deitar e rolar neste final de ano…

Será o Papai Noel em muitas ocasiões…

É um cara muito rico com o coração bondoso (reproduz o senso comum)

Mas seu governo trabalha contra a justiça social.

Porque justiça social implica dividir o orçamento público do Estado de forma justa…

E não é isso que se vê na repartição do bolo orçamentário no Acre…

O exemplo da Reforma da Previdência aprovada contra os servidores na Aleac é a prova de que a justiça social não é prioridade.

Aí resta só a opção demagógica ao governante de plantão: a caridade…

Com disse no começo, caridade para acalmar e diminuir a culpa perturbadora dos falsos cristãos.

As pessoas necessitadas até aceitam a caridade e agradecem…

Porém, seriam felizes houvesse justiça social.

J R Braña B.


Ative o sininho e receba as notificações de oestadoacre