Luiza Erundina: ‘O desânimo é conservador’