Tucanos querem prejudicar famílias pobres mudando Bolsa Família (assista o que diz a ministra Tereza Campelo)

Inacreditável!

Veja o que quer Aécio Neves, no Senado.

O candidato do PSDB passou onze anos e nunca se preocupou com o Bolsa Família.

E agora propõe mudanças para tirar o foco nas famílias pobres.

Meio por cento do PIB chega a 50 milhões de brasileiros e o PSDB quer acabar com isso.

25 bilhões previstos para o Orçamento deste ano.

Não deixe de assistir o que diz a ministra Tereza Campelo (vídeo abaixo)

O povo precisa saber disso.

E também pressionar o Senado para não aceitar essas propostas que prejudicam a população que precisa da ajuda do Estado.

Vídeo


Nossos aeroportos municipais têm que voltar a ser uma alternativa

Tião-na-SAC-11-580x386-
Governador Tião Viana e o ministro Moreira Franco (Sec de Aviação Civil – foto: sac

Não é porque teremos em breve a BR-364 concluída que devemos abandonar as pistas dos antigos aeroportos dos municípios do Acre.

Uma boa notícia no final da quarta-feira chamou à atenção.

Em Brasília, o governador Tião Viana assinou convênios com a Secretaria de Aviação Civil (matéria do Romerito Aquino aqui).

Com o acordo, o Estado pode ter acesso a mais de 70 milhões para investimentos e modernização dos aeródromos pelo Acre.

E transformá-los em pequenos aeroportos.

Um estado como o Acre, com suas características, não pode prescindir de seus pequenos aeroportos no meio da floresta.

É uma necessidade.

Na hora da urgência são eles que ajudam a população e se deslocar para a capital.

A história do Acre se confunde com a história dessas pistas de pouso espalhadas pelo interior do Estado.

Quem não tem uma aventura para contar nesse sobe e desce dos teco-tecos da vida que sempre enfeitaram os ares do Acre?

Todos têm.

Ou quase todos já tiveram uma experiência voando no Acre.

Por isso, a notícia de que o governo busca recuperar e dar condições a esses pequenos aeroportos é uma coisa boa.

Dias atrás a Presidenta Dilma disse que o país iria investir na aviação regional.

Uma medida acertada até para combater o monopólio das grandes empresas que cobram absurdos para um bilhete de viagem.

E mais:

O governo acerta quando pensa e propõe um aeroporto em Brasileia, um município que precisa – e muito – ter seu papel estratégico fortalecido no Acre.

Brasiléia  ouve e vê todos os dias, ou quase todos os dias – Boeings da Bolívia passando em cima de sua cabeça com destino as suas grandes cidades.

Aquela região do Acre merece um aeroporto.

Ainda não é, mas será a porta de entrada do desenvolvimento que o Acre experimentará neste Século XXI.

Só faço, porém, uma ressalva:

Que seja incluído no pacote de novos aeródromos o principado de Sena Madureira, que historicamente teve um comércio com Boca do Acre e outros municípios do Amazonas por via aérea.

Além de  Xapuri, Feijó, Tarauacá, Porto Walter e Marechal Thaumaturgo.

Também Sena Madureira.

É que não consigo ver – muito menos aceitar – esse município fora do contexto do Acre.



Partido de GladsonC decide apoiar reeleição de Dilma gladsonc

Em Brasília o anúncio foi feito durante um almoço.

Na segunda-feira passada.

O doutor GladsonC, pasmem, foi à boca livre.

Seu ‘estilo’ na bancada federal já é conhecido.

Ou seria oportunismo?

Aqui no Acre ninguém falou nada do apoio do PP à Presidenta Dilma.

Porque quem deveria falar era o deputado do PP, GladsonC.

Mas ele está apoiando a Oposição.

Uma prova de sua ‘importância’ na cena política em Brasília.

Como dizem os que transitam nos corredores federais, ‘importância zero’ do senhor GladsonC.

Agora…

Já ouviram falar em papagaio de pirata?

Que fica atrás das autoridades para sair na foto..?

Pois, é: prestem atenção.

——

Em tempo: em Cruzeiro do Sul, a prefeitura da cidade fez o maior auê com o Pronatec, que forma jovens. O prefeito do PMDB só esqueceu de dizer que o Pronatec é programa do Governo Dilma, do PT.



Reunião da frente popular
reunião frente popular

Aos poucos os partidos da Frente Popular vão dando forma aos detalhes da grande batalha de outubro.

Antes, porém, é preciso, e com calma – ir eliminando as pontas duplas sem diminuir o comprimento…

Como num bordado.

E com a paciência dos monges do Tibet.



Sábado

encontro extrativista 2 jun

Às 10h, na Reserva Extrativista Chico Mendes.

Na comunidade Rio Branco.


 

Acre sem racismo e em busca do Prêmio Puskás
gesse perpetua

 

O nosso Gessé e a deputada Perpétua, que entrou na campanha para que ele ganhe o Prêmio FIFA Ferenc Puskás.

Seu nome verdadeiro (Purczeld Biró Ferenc, no padrão húngaro).

Aos mais jovens:

Ferenc Puskás foi o maior jogador de futebol da Hungria.

Em 1954, a Hungria foi vice-campeã do mundo.

E ele estava lá.


 

[Leitura obrigatória para entender a sangria do nosso país. E saiba quem entregou tudo em 1995]

 

Um tabu que sangra o Brasil

A isenção sobre as remessas, aprovada no governo FHC, tornou-se um desestímulo à reaplicação dos lucros em uma economia carente de investimentos.

por: Saul Leblon
Carta Capital

O Brasil perde cada vez mais dólares com as remessas de lucros e dividendos das empresas estrangeiras instaladas  no país.

Em abril foram remetidos US$ 3,2 bi;   US$ 9 bilhões no primeiro quadrimestre de 2014.

No ano passado,  lucros, dividendos e royalties remetidos às matrizes totalizaram quase US$ 40 bilhões.

Equivale à soma dos gastos na construção das usinas de Jirau, Belo Monte, SantoAntônio e a refinaria Abreu e Lima.

Representa quase  50% do rombo externo do período, de US$ 81 bi (3,6% do PIB).

Não há problema, diz a ortodoxia. Com a  liberdade de capitais, o fluxo de investimentos diretos, e os especulativos, cobre o rombo, ou quase todo ele.

De fato, o ingresso anual de capitais na economia brasileira  oscila em torno de US$ 60 bilhões (a diferença em relação ao déficit cambial total é zerada com captações em títulos).

Parece um lago suíço. Mas não é.

As correntezas submersas das contas externas, embora muito distantes da convulsão vivida no ciclo de governo do PSDB –quando as reservas cobriam poucos meses de importações e eram tuteladas pelo FMI-  mostram uma dinâmica estrutural conflitante.

As exportações não conseguem gerar um superávit suficiente para cobrir a fatia expressiva das remessas e gastos no exterior.

O declínio nos preços das commodities e a baixa competitividade das exportações industriais (associada  à expansão das importações) completam a espiral descendente dos saldos comerciais.

Em 2013 a diferença entre embarques e desembarques deixou apenas US$ 2,561 bilhões no caixa do país, pior resultado da balança comercia desde o ano 2000.

Em 2014, apesar da melhora refletida em um superávit mensal de US$ 506 milhões em abril, o acumulado no quadrimestre  ainda é negativo: menos US$ 5,5 bilhões de dólares.

Em tese, haveria aí um paradoxo: como uma economia onde o capital estrangeiro acumula lucros tão robustos e remessas tão generosas (US$ 9 bilhões entre janeiro e abril), exporta tão pouco?

Duas lógicas se superpõem na explicação do conflito aparente.

A primeira decorre da inexistência de sanções que desencorajem as remessas.

Essa atrofia reflete a evolução política do país.

Em 1952, Vargas instituiu um limite  de repatriação de 10%  sobre os lucros do capital estrangeiro.

Em 20 de janeiro de 1964, Jango, certo de que estava assinando sua deposição, sancionou e especificou  barreiras às remessas no decreto  53.451.

Estava correta intuição do presidente.

O golpe de 1964  eliminou a restrição quantitativa em 1965 – os 20% anuais de retorno do capital e os 10% sobre os lucros foram substituídos  por um imposto progressivo.

O mecanismo penalizava adicionalmente remessas acima de 12% do capital médio registrado no triênio anterior. Buscava-se, teoricamente, induzir  a permanência do recurso no país  na forma reinvestimento, sujeito apenas ao imposto na fonte.

A ‘boa’ intenção da ditadura foi derrubada com a emergência do ciclo neoliberal, que eliminou o imposto suplementar em 31 de dezembro de 1991, no governo Collor.

A escalada do desmonte incluiu ainda um corte na alíquota do Imposto de Renda sobre remessas , que caiu de 25% para 15%.

Finalmente, em 1995, no governo Fernando Henrique Cardoso, a Lei 9.249 reduziu a zero  a alíquota, instituindo a isenção total de imposto sobre as remessas de lucros e dividendos.

É sugestivo que os mesmos  veículos que rasgam manchetes para a erosão de divisas na conta de turismo, silenciem diante dessa sangria gerada pelo capital estrangeiro, cujo controle é uma espécie de tabu da agenda nacional.

Embora descabido para um país que enfrenta dificuldades em gerar saldos com exportações, a verdade é que o débito acumulado pelos viajantes brasileiros nas contas externas (US$ 2,3 bilhões em abril  e US$ 8,2 bi no ano) é inferior ao fluxo das remessas do capital estrangeiro.

Mas isso não repercute. Talvez porque envolva não apenas uma diferença contábil.

A intocabilidade que cerca o capital estrangeiro sonega um debate que precisa ser feito para destravar a máquina do desenvolvimento brasileiro.

O tabu, na verdade, blinda escolhas políticas feitas nos anos 90, cujos desdobramentos explicam uma parte importante das dificuldades estruturais para a economia voltar a crescer de forma expressiva.

O regime facultado ao capital externo, associado à sofreguidão das  privatizações nos anos 90, instalou no país uma azeitada plataforma de remessas de divisas, dissociada de contrapartidas equivalentes do lado exportador.

As privatizações dos anos 90, mas também os investimentos estrangeiros e aquisições predominantes nas últimas décadas, concentraram-se em áreas de serviços  –chamadas non-tradables, não comercializáveis no exterior.

Ou seja,  criaram-se direitos de remessas permanentessem expandir proporcionalmente o fôlego comercial da economia.

A desestruturação da taxa de câmbio, traço que se arrasta desde o Real ‘forte’, completou a base de um sistema manco para dentro e para fora.

Três muletas  se atropelam nesse tripé: exportações industriais declinantes e importações  ascendentes, devido ao câmbio valorizado, e sangria desmedida nas diversas modalidades de remessas do capital estrangeiro.

O Brasil não vive uma asfixia externa, como a da crise da dívida nos anos 70 e 80, em parte decorrente de empréstimos que, de fato, ampliariam a capacidade e a infraestrutura do sistema produtivo.

Mas está constrangido no flanco externo por um descompasso estrutural intrínseco ao regime concedido ao  capital estrangeiro.

O pano de fundo incômodo  traz pelo menos um desdobramento positivo.

A ideia de que as condições de investimento e financiamento na economia devem estar atreladas  –inexoravelmente— ao padrão de liberação financeira dos anos 90 não se sustenta mais.

As facilidades desmedidas oferecidas ao capital estrangeiro não redundaram em um salto no patamar de investimento, tampouco agregaram um novo divisor  de competitividade, ademais de nada acrescentarem à inserção da indústria local nas cadeias de suprimento e tecnologia que dominam o capitalismo globalizado.

O insulamento regressivo não é a alternativa.

Mas as evidências demonstram  que os protocolos destinados ao capital estrangeiro não servem para gerar os efeitos multiplicadores necessários ao aggiornamento do parque industrial e à inserção internacional da economia.

Na verdade, a isenção concedida às remessas fez o oposto.

Incentivou o não reinvestimento de lucros, promoveu o endividamento intercompanhias (entre filial e matriz), exacerbou a consequente espiral dos juros e deslocou a ênfase do resultado operacional para a esfera financeira.

Uma conta grosseira indica que o capital estrangeiro remeteu nos últimos 11 anos cerca de US$ 240 bilhões, para um estoque de investimento da ordem de US$ 720 bi.

A relação soa favorável, não fosse a qualidade desse fluxo, boa parte, repita-se,  destinado a aquisições de plantas já existentes e prioritariamente focado em atividades não geradoras de divisas.

Não apenas isso.

O líder em remessas de lucros e dividendos nos últimos dez anos, o setor automobilístico, responsável por quase 14% da sangria desde 2003, não exibiu qualquer compromisso com o país quando se instalou a crise internacional.

À renúncia fiscal sobre as remessas veio se  sobrepor, então, novas demandas  por isenções de impostos, a título de se evitar demissões, sem que de fato se tenha assegurado a garantia do emprego ao trabalhador brasileiro.

O conjunto resgata o tema do controle de capitais como uma ferramenta oportuna, legítima e indispensável à reordenação  do desenvolvimento brasileiro.

Chegou a hora de  desmascarar um tabu que sangra o Brasil.


Por hoje, FIM