França doa ao Acre componentes de laboratório para estudos de hepatites

 

AgGov
Diego Tenutti

Componentes do laboratório biomolecular começam a chegar da França

Os primeiros componentes especiais para a implantação do primeiro Laboratório de Pesquisa em Biologia Molecular – unidade de alta complexidade para pesquisa científica e análise clínica, que será referência em virologia no Brasil – começaram a chegar nesta semana. Na manhã desta sábado, 17,cinco contêineres foram descarregados no local na obra, nas dependências do Hospital das Clínicas (HC) de Rio Branco.

A obra estrutural do laboratório deve ser concluída em dezembro. Até lá, os contêineres, que vieram lacrados da França, serão abertos por profissionais franceses especializados, ao passo em que os equipamentos forem instalados. Desde revestimento de piso e parede, até condicionadores de ar foram encaminhados do país europeu.

“A instalação destas peças vindas da França é uma exigência da Fundação Merieux [doadora do laboratório], pois tudo é feito especialmente para este tipo de estrutura laboratorial”, comentou a superintendente do HC, Juliana Quinteiro.

frança

 

Laboratório

frança1

O laboratório é uma doação da Fundação Merieux, da França, engajada em levar investimentos em saúde para regiões em que haja a necessidade desse tipo de pesquisa, no valor de um milhão de euros. O laboratório molecular é um espaço de estudo do DNA dos vírus, realizando exames e pesquisas de alta complexidade, que no Acre servirá principalmente para o estudo das hepatites virais.

“É uma conquista única para a região da Amazônia, pois estamos caminhando para o laboratório molecular mais moderno do Brasil, numa parceria de quase cinco anos com a Fundação Merieux. É uma doação importante, principalmente para o estudo das hepatites”, comentou o governador Tião Viana, no ato de lançamento da obra, em junho deste ano.

“Faremos diagnósticos de doenças típicas da região amazônica que ajudarão médicos e pacientes. Além disso, faremos formação de pessoal das áreas de laboratório, biomédicos, farmacêuticos e químicos que trabalhem com os tipos de materiais empregados aqui”, destacou o diretor da Fundação, François Xavier, também em junho.