Marcus Alexandre aposta no número 4 de Pitágoras (a/v)

Marcus Alexandre:

Teremos um estado tolerante que respeita as diferenças, Germano (ativista dos direitos civis)

 

Marcus Alexandre se não tivesse mudado para o Acre e entrado na política administrativa ainda no começo do governo Jorge Viana (há quase 20 anos), não fosse prefeito hoje, poderia muito bem ser um monge tibetano/paulista/acreano por sua tranquilidade, paciência, gentileza e serenidade com que enfrenta as coisas…

Neste sábado ele foi anunciado o candidato da esquerda (PT, PCdoB, PSol, PSB, PDT…) ao governo em 2018.

Porém, Marcus em sua intervenção, não falou em Buda (quem falou em monges foi Moisés Dinízpost a seguir) mas em Pitágoras, mesmo que tenha sido sem querer e sem citá-lo.

O prefeito de Rio Branco, agora o nome da Frente Popular que vai enfrentar a oposição escolheu o número 4 que, para o filósofo e matemático – era perfeito.

O 4 de Marcus Alexandre se traduz em: união, amizade, lealdade e humildade.

O 4, agora um número ligado a Marcus Alexandre e a sua política carrega aspectos, digamos meio sagrados, universais, ainda inquestionáveis…

Os quatros pontos cardeais: (norte, sul, leste e oeste);

As quatro estações do ano: (primavera, verão, outono e inverno);

Os quatro elementos: (ar, fogo, água e terra)…

E as fases da vida…: (infância, juventude, maturidade e velhice).

É um bom começo para um novo ciclo que se vislumbra no Acre…

Áudios curtinhos (de 48 segundos e 2 minutos) de Marcus Alexandre:

 

J R Braña B.

Assista abaixo a íntegra da plenária da Frente Popular


Antes publicamos…: