Cinco caminhos de Marcus Alexandre e o ‘Comando de Fronteira’

# marcus alexandre eleição acre

marcus alexandre

Por Irailton Lima

Esta semana concluímos o documento do Plano de Governo do Marcus para eleição de 7 de outubro. Foi um rico processo de construção coletiva, marcado pelo protagonismo do próprio Marcus em todas as fases de discussão…

(…)

Salta aos olhos, na experiência atual, o zelo e a extrema responsabilidade do Marcus na definição das 159 propostas contidas no documento, espalhadas por seis eixos temáticos e um sem número de áreas de resultados, como produção, segurança, saúde e educação, por exemplo. Não tem uma única proposta ali que não tenha sido avaliada detalhadamente por ele. O critério sempre foi a correspondência com as necessidades do nosso povo e a real possibilidade de execução no futuro governo. Impressiona o rigor ético com que ele decide. Jamais definiu com base exclusivamente no “efeito eleitoral” da proposição.

Com o título União e Inovação – Um Plano de Governança e Muito Trabalho, nossa proposta se guia por cinco diretrizes centrais:

(1) renovar e reavivar o espírito autonomista acreano, que modelou ao longo da história nosso jeito de ser e nosso lugar no mundo;

(2) apostar na capacidade de geração de negócios dos empreendedores locais, aliando investimento privado com fomento público apropriado, à custa de muito diálogo e compartilhamento de responsabilidades com o setor empresarial;

(3) alinhar a gestão pública ao novo contexto do país com a crise econômica e política dos últimos anos;

(4) garantir serviços públicos básicos de qualidade para todos, aprofundando os avanços na educação, dedicando especial atenção à saúde e consolidando os sistemas públicos nas área de assistência social, cultura e direitos humanos/políticas afirmativas, e por fim,

(5) empreender forte enfrentamento ao crime organizado por meio do reforço das forças de segurança, uso intensivo de inteligência policial e fiscalização das fronteiras, com a insubstituível participação do Governo Federal.

Foi dado destaque para a área da segurança pública, onde Marcus apresenta a inovadora proposta de implantação do Comando Estadual de Operações de Fronteira. O objetivo é ampliar o controle dos acessos terrestres nas cidades e regiões com fronteiras mais vulneráveis, como Cruzeiro do Sul, Brasileia, Assis Brasil, Plácido de Castro, Capixaba, Sena Madureira e na Divisa Acre-Rondônia, na Tucandeira. Para ampliação dos efetivos será utilizado o concurso da PM hoje vigente.

(…)

Na íntegra, aqui abaixo: