É candidato que não acaba mais… 610 pedindo voto a mim e a você!

tre

 

Os números são Tribunal Regional Eleitoral do Acre:

(…)

Do total 610, 4 concorrem à eleição para governador, 4 para senador, 63 para deputado federal e 527 para deputado estadual. Os demais preenchem vagas de suplentes. Solicitaram registro, ainda, 11 coligações e 6 partidos isolados.

(…)

Ou seja, um candidato para cada 1.270 acreanos se contarmos que nossa população soma 776 mil habitantes, segundo o último Censo 2013, do IBGE.

Tem de tudo.

De todas as cores.

De todas as religiões  e sem religião alguma.

De todos os discursos.

De todos os gostos e contragosto.

De todos os lados e os sem lados também (os oportunistas).

Com feitos e defeitos.

Como é a sociedade.

Sérios e dissimulados.

‘Santos’.

Compradores de votos.

Sem grana.

E o pior de todos:

O candidato/político vigarista, que quando vence uma eleição (alguns não precisam nem vencer, na campanha já agem assim) não honra o mandato porque o utiliza para se locupletar sem se importar com o Estado, a cidade, o município, o bairro, ou mesmo a comunidade que o elegeu.

Desse, o eleitor –  todos nós – temos que nos livrar.

E o Acre já sabe de quem deve se livrar.

Ou em quem não apostar.



Olha pro céu, meu amor…//
perpetua arraial


Veja como ele está lindo
…//

A Flor e o Léo no Arraial Cultural.

Rumo ao 5-O!



As duas cartas de Dilma (para a
Seleção e para Neymar)

 

‘Queridos jogadores e querida Comissão Técnica,

Todo o Brasil está acompanhando, com empolgação, a grande campanha que vocês realizam.

Mais uma vez, demonstram talento, garra, espírito de luta e capacidade de superação – o que, inclusive, vai ajudar a compensar o grande desfalque causado pela contusão do nosso querido Neymar.

Todo o Brasil já se sente vitorioso porque, além de estarmos realizando a Copa das Copas, temos a mais linda e aguerrida Seleção da disputa.

Como nunca, vocês estão fazendo nossos corações baterem em um só ritmo e nossas gargantas emitirem uma só voz de alegria e esperança.

Avante, porque o principal já foi feito!

Sua fã Número Um, ‘


Dilma
Rousseff
Presidenta da República Federativa do Brasil


Em tempo:
Dilma diz muito bem…’o principal já foi feito’. E foi mesmo.



A outra carta…

‘Querido Neymar,

Sua face de dor, ontem no gramado do Castelão, feriu meu coração e o de todos os brasileiros e brasileiras.

Mas o que vimos, também, foi a força descomunal de um grande guerreiro que não se deixa abater, mesmo que ferido.

Um grande guerreiro que interrompe brevemente sua marcha, mas que já deixou sua marca insuperável na batalha vitoriosa que trava a nossa seleção.

Sei que como todo brasileiro você não desiste nunca e, mais rápido do que se imagina, estará de volta, enchendo nossa alma de alegria e nossa história de sucessos.

Que Deus lhe dê força e lhe proteja sempre, ‘

Dilma Rousseff
Presidenta da República Federativa do Brasil

Em tempo: a presidenta chama o menino de ‘Guerreiro’…Bonito, não?



Demóstenes, Gilmar e a mídia cúmplice

 

Autor –  Altamiro Borges
Blog do Miro

A mídia sempre bajulou Gilmar Mendes – o “juiz” que trabalhou no governo FHC e foi indicado pelo amigo para o cargo de ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), o “juiz” que deu habeas-corpus para o agiota Daniel Dantas e para o médico Roger Abdelmassih, condenado a 278 anos de prisão por estuprar 37 mulheres. A mídia também sempre paparicou o ex-senador Demóstenes Torres, eleito “mosqueteiro da ética” pela revista Veja, que foi cassado por corrupção e ligações com a máfia de Carlinhos Cachoeira, em julho de 2012. Estas simpatias talvez expliquem o tratamento brando, quase cúmplice, dado pela mídia à decisão de Gilmar Mendes de permitir a volta ao trabalho do ex-demo.

A vergonhosa decisão foi anunciada nesta quinta-feira (3). O ministro Gilmar Mendes autorizou o amigo Demóstenes Torres a reocupar o posto de procurador da Justiça em Goiás. Como a decisão é liminar, ele poderá assumir de imediato o posto até que o plenário do STF julgue o caso. Ou seja: o ex-demo, acusado de envolvimento com o crime organizado, agora poderá analisar os delitos de outros investigados. Gilmar Mendes alegou que o afastamento do seu amigo do cargo por mais de um ano desrespeita norma interna do Ministério Público, que fixa prazo de 60 dias, renováveis por uma vez. Para o ministro, a falta de previsão para o julgamento caracterizaria “uma situação de insegurança jurídica”.

Como aponta Najla Passos, do site Carta Maior, ambos são amigos fraternos. “Em 2012, no auge das denúncias do envolvimento de Demóstenes com a quadrilha de Cachoeira, o vazamento de ligações telefônicas interceptadas pela Polícia Federal acabou por tornar público um encontro pessoal entre o então senador e o ministro, na Alemanha, em abril de 2011. Em telefonemas grampeados, Carlinhos Cachoeira informava aos comparsas que Demóstenes e Mendes estavam em Berlim e pedia providências para que um jatinho fosse disponibilizado para recebê-los em São Paulo, após o retorno de ambos ao Brasil. À época Gilmar confirmou o encontro na Alemanha, sem apresentar justificativa para tal”.

Já Luis Nassif, no Jornal GGN, lembra que “no dia em que caiu a casa de Demóstenes Torres, com a denúncia sobre suas ligações com Carlinhos Cachoeira, o ministro Gilmar Mendes, do STF, estava em seu apartamento, consolando o amigo”. Para o jornalista, apesar das “relações antigas e pessoais”, Gilmar não se declarou impedido para conceder uma liminar reintegrando Demóstenes ao Ministério Público de Goiás, numa decisão que “atropelou os princípios de impessoalidade no julgamento”. Quando à alegação da demora do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) em julgar Demóstenes Torres, Luis Nassif demonstra que esta decisão é absurda, surrealista.

“O caso Demóstenes é cristalino. Ele é alvo de denúncias gravíssimas, muitas delas devidamente comprovadas. Quando existem provas de tal naipe, há que se cuidar do prazo de julgamento, mas não sendo julgado de imediato não pode significar a retomada dos direitos. Trata-se de uma aberração jurídica, devolvendo as atribuições de procurador a alguém com tal volume de suspeitas. Vingando a tese de Gilmar, qualquer advogado conseguiria a libertação dos réus meramente recorrendo a práticas procrastinatórias. É hora de se saber se esse país têm contrapontos institucionais ou não, ou se, mesmo após a saída de Joaquim Barbosa, o STF continuará permitindo abusos dessa ordem”.

A mídia seletiva, que não dá sossego ao ex-ministro José Dirceu – que nesta semana teve garantido o seu legítimo direito ao regime semiaberto, arbitrariamente negado pelo ex-presidente do STF, o carrasco Joaquim Barbosa – simplesmente ignorou todos estes fatos graves. Ela quase não deu destaque à decisão de Gilmar Mendes. Os jornais publicaram pequenas notas, de alguns parágrafos; já os “calunistas” das emissoras de tevê e rádio evitaram comentários hidrófobos. Não houve equipes de reportagem perseguindo o ex-demo ou exigindo explicações do ministro tucano do STF. E depois ainda tem gente que acredita na “escandalização da política” promovida pela chamada grande imprensa. Haja inocência!



Vídeo – Neymar: ‘o sonho não acabou’

Fonte: cbf


Por hoje, FIM